Bolsonaro mente em tudo, mas e daí?

Um dos mais importantes primeiros-ministros ingleses do século 19, Benjamin Disraeli, dizia que há “três espécies de mentiras: mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas”.

Jair Bolsonaro, um campeão nesta matéria, conseguiu reunir as três, ontem, com a história do “relatório do tal Tribunal de Contas da União” que mostraria não serem de Covid metade das mortes atribuídas à Covid.

Mentira, diriam os antigos, adrede preparada, porque suas redes virtuais já tinham pronto para ser disparado na internet, com a ajuda do R7, supostos trechos do suposto relatório que afirmava, sem maiores argumentos, que só 41% das mortes registradas como provocadas pela doença o eram de fato.

Depois de horas de amedrontamento, o TCU informou que não havia o relatório e muito menos qualquer conclusão ou especulação neste sentido.

O presidente da República, portanto, mentiu; mentiu deslavadamente, por atribuir a informação a um tribunal federal e, para completar a trinca, fraudou estatísticas.

Mas, e daí?

Mesmo não permitindo enquadrar penalmente mentiras sobre algo tão grave e envolver nela justamente o órgão de controle da administração pública, é mais que evidente a quebra de ética e decoro que competem ao Presidente da República.

Ainda assim, nada se fará, ninguém o interpelará e ele está livre para dizer o que quiser, atribuindo a quem quiser a informação mentirosa.

Pior é que se naturaliza a possibilidade de divulgar fraudes como prática política, ainda mais envolvendo vidas humanas e o cuidado da sociedade com uma moléstia fatal.

Afinal, cria-se uma inversão: as boas novas mentirosas são saudadas; a verdade é inconveniente, porque há quem queira resolver a crise com fantasias, porque os mortos, debaixo da terra, já não podem falar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *