A ‘autocrítica’ do ‘Jair Paz e Amor’

Não há como deixar de lembrar da velha série do “Acredite se Quiser” que a televisão exibia.

Pois o Painel da Folha traz hoje que “Bolsonaro foi convencido de autocrítica e autorizou diálogo de auxiliares com STF em busca da paz“.

Será que alguém acredita que Bolsonaro – que não fez “autocrítica” da ditadura militar, dos assassinatos políticos, da tortura ou mesmo de um plano de explodir bombas em quartéis para obter aumento de soldo – vá arrepender-se de suas atitudes autoritárias no governo?

No entanto, diz o jornal que o presidente foi “convencido de que era momento de uma autocrítica e de agir de maneira diferente, sem esperar que os outros Poderes fizessem algo antes ou o cobrassem de novo por isso. O presidente autorizou três de seus ministros a abrir o diálogo neste tom e assumir o compromisso de uma nova postura, de paz, que até agora tem sido seguida”.

Felizmente, o espírito da “velhinha de Taubaté”, aquela personagem que Luiz Fernando Veríssimo criou para simbolizar a última pessoa no Brasil que ainda acreditava no governo Figueiredo, não se disseminou em todo o hornal.

Celso Rocha de Barros, na mesma edição, é mais realista ao dizer que tivemos apenas “uma semana de folga” da brutalidade de Jair Bolsonaro. “(…) ganhamos uma semana de silêncio presidencial. A rodada de golpismo fracassou, resta o acobertamento, e isso não é feito diante das massas. Nessa semana de silêncio(…) só foi possível controlar Bolsonaro impondo-lhe silêncio total. Ninguém conseguiu fazer com que ele ao menos recitasse coisas razoáveis”.

Barros recomenda extrema cautela:

(…)faz pouco tempo, suspirávamos aliviados porque os generais haviam conseguido segurar Mandetta na saúde. Durou só uma semana. Os generais fracassaram, Mandetta caiu, a mortandade explodiu, e estava perpetrado o maior crime que a Presidência da República brasileira já cometeu.
E não sabemos o quanto o arranjo da semana passada é estável. Bolsonaro vai ficar em silêncio até o final de seu mandato? Não vai tentar novas manobras para interferir nas investigações? Se escapar das investigações, não vai tentar novos atentados contra a democracia? Se não escapar, vai cair e voltar para o Recreio dos Bandeirantes pacificamente? Vai ter acordão?
E nós, brasileiros, vamos também ficar em silêncio? Vamos normalizar o fato de não termos Poder Executivo funcional durante a pandemia, por culpa única e exclusiva do presidente da República? Vamos todos fingir que não vimos o presidente da República tentando um golpe de Estado?

Parece que há gente disposta a isso e tratei disto ontem ao dizer que não há “frente ampla” possível com este governo em troca de composições que lhe garantam funcionar em troca da manutenção de uma semidemocracia formal.

Porque não há democracia possível com a indiferença com as dezenas milhares de mortes que tivemos, temos e teremos sendo ampliadas pela desídia governamental e com a continuidade de uma política – que muitos dos “oposicionistas” consideram intocável – que aliena e arruína o Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. O New Bozo é a pior farsa de toda essa nossa triste era. É a ponta do iceberg da direita limpinha tomando lugar para esconder a sujeira pra baixo do tapete e dizer que, afinal tudo se acalmou. Aproveitam a onda e surfam. Afinal, LAVOU, TÁ NOVO…

  2. Mário Frias promete iniciar uma auditoria sobre recursos oriundos da Lei Rouanet, e assim ele consegue espalhar desconfiança geral da população sobre toda a classe artística do Brasil. Ele deve ter perdido o sono a procurar alguma maneira de perseguir seus colegas de profissão. Só que agora ele está indo contra a nova orientação de “Jairzinho Paz e Amor” do governo dele.

  3. Esse FDP parece o aluno vagabundo,brigão e burro, que pede ao papai para interceder junto à direção da escola para não ser expulso, dizendo que na verdade ele é bonzinho e só está passando por uma fase difícil com crise de identidade infanto juvenil.

  4. Gente batendo palma pra Alexandre Moraes pelas atitudes contra os facistas. Ateh o mundo mineiral sabe que isso está servindo pra controlar a língua do Bozo. A esmagadora maioria (se não todos) do STF, do Congresso e desse movimento “Direitos Já” querem o mesmo que o Bozo quer: acabar com direitos trabalhistas (“direitos já” ????) e o fim dos povos indígenas! Bobo é quem embarca num movimento que fala em “Direitos” que não exige a anulação do processo absurdo do Moro contra Lula. Bobo é trabalhador que embarca em frente ampla que não discute a retomada dos direitos trabalhistas retirados pelo Temer.

    1. O reconhecimento de que Lula foi tirado da disputa eleitoral de 2018 através de um amplo movimento fundado em uma mentira fútil de jornal que foi torcida e retorcida até se transformar em um escandaloso crime inexistente, esta é a exigência imprescindível sem a qual será vão e inútil todo e qualquer esforço de recolocar o país nos trilhos da normalidade democrática. Sem cumprir esta exigência, o país seguirá de calças curtas e bonezinho de marinheiro, chupando pirulito e levando cascudos dos adultos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *