A Fiocruz não vai dizer ao povo que hidroxicloroquina é ‘futilidade’?

Diante da reiterada insistência de Jair Bolsonaro em propagandear as virtudes curativas da hidroxicloriquina e até dizer que a tragédia de Manaus ocorre porque não a ministraram em massa, as instituições de Saúde tem o dever de esclarecer a população, sob pena de tornarem-se cúmplices do charlatanismo presidencial.

A Fundação Oswaldo Cruz, enfiada pelo governo na aventura da vacina indiana – na qual o seu papel seria colar adesivos com o seu nome em frascos nos quais só sabe o que haveria dentro pelo que o Instituto Serum dizia ter, mais ou menos como estes importados que têm rótulo dizendo que é “importada e distribuída por Manoel&Joaquim Produtos Alimentícios”- bem que poderia, chamar a imprensa e dizer que assina, junto com a Organização Mundial de Saúde e instituições de diversos países, um artigo científico onde se relatam os resultados experimentais da droga bolsonariana e conclui-se que ela é uma “futilidade” – esta exata palavra, pouco usual até em linguagem acadêmica – que deve ser descartada.

O estudo, publicado pelo New England Journal of Medicine, avaliou, além da hidroxicloroquina, também o remdesivir, o lopinavir e interferon beta-1a – em pacientes hospitalizados com Covid-19. No caso da hidroxicloroquina, morreram 104 de 947 pacientes que estavam recebendo a droga contra 84 mortes em 906 do grupo controle, sem administração da droga.

Ou seja, não morreram menos, morreram até em maior quantidade.

“Nenhuma droga reduziu definitivamente a mortalidade, geral ou em qualquer subgrupo, ou reduziu o início da ventilação ou a duração da hospitalização(…)Os regimes de hidroxicloroquina, lopinavir e interferon foram descontinuados por futilidade (…)”

A Fiocruz até noticia o estudo em seu site, ontem, mas de forma lacônica e anódina: Remédios como hidroxicloroquina e remdesivir podem ser usados no combate à Covid-19?

Que diabo é isso de “perguntar” algo que já e sabe a resposta, no momento em que a população carece de informação assertiva, porque há “apenas” a maior autoridade pública do país dizendo que é isso, muito mais que a vacina, o que pode evitar a doença grave e a morte?

A Sociedade Brasileira de Infectologia, que é uma agremiação corporativa, sem os compromissos públicos que tem a Fiocruz, é dez vezes mais enfática:

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento farmacológico precoce para COVID-19 com qualquer medicamento (cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, nitazoxanida, corticoide, zinco, vitaminas, anticoagulante, ozônio por via retal, dióxido de cloro), porque os estudos clínicos randomizados com grupo controle existentes até o momento não mostraram benefício e, além disso, alguns destes medicamentos podem causar efeitos colaterais. Ou seja, não existe comprovação científica de que esses medicamentos sejam eficazes contra a COVID-19.

É o mínimo que se espera de uma instituição com sua importância e com a tradição da Fiocruz.

Em 1970, dez cientistas da Fundação Oswaldo Cruz foram cassados por terem a coragem de resistir ao descaso da ditadura com a Saúde Pública e, num requinte de crueldade, impedidos de trabalhar em qualquer instituição sanitária pública. Não é preciso ter toda, mas convinha que os dirigentes do principal instituto de pesquisas de saúde do país tivessem um pouco da coragem de seus mestres.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *