Angústia pelo Brasil, por Paulo Nogueira Batista Jr.

Qualquer civilização cabe nos abismos da história. Digito essa frase apocalíptica e paro, um pouco constrangido. Brasileiro, verdade seja dita, não tende à generalização. Nossa
contribuição à filosofia da história, e à filosofia em geral, é próxima de zero. Portanto, é o destino da civilização brasileira que nos angustia. Agora mais do que nunca. Estamos sem
reservas espirituais, sobrecarregados com desafios e problemas próprios. As outras civilizações que cuidem de si mesmas.

Há 30 anos, Celso Furtado lamentava a “construção interrompida” do país – título de um livro que ele publicou em 1993. A crise da dívida externa dos anos 1980 interrompera a trajetória de crescimento da economia brasileira, marcando o início de uma longa fase de semiestagnação da qual não logramos ainda sair. Mas, hoje, no início da terceira década do século 21, o desafio é muito maior – trata-se de interromper a destruição. A destruição da economia, do Estado, do potencial de desenvolvimento, da cultura, das políticas sociais, da Amazônia, do Pantanal e da própria nação brasileira. Estamos sob ataque cerrado em múltiplas frentes.

A destruição do Brasil e da civilização brasileira seria uma perda irreparável. Para o mundo inteiro. Mesmo que o brasileiro nem sempre se dê conta disso. E, ao contrário, faça da depreciação do país um dos seus esportes favoritos.

Acabei de fazer a conta – vivi quase um 1/3 da minha vida fora do país. Tenho em relação ao Brasil o distanciamento mínimo que é talvez indispensável ao afeto e ao conhecimento. Na distância, adquiri a capacidade de estabelecer, com base em vivências, comparações e contrastes com outros países.

Escorado então nessa longa vivência, declaro, de fronte erguida – até os nossos defeitos têm o seu lado positivo. Por exemplo, a nossa desordem. Muitos estrangeiros ou brasileiros estrangeirados notam, com desânimo ou desprezo, que a disciplina não é o forte do brasileiro. Ora, ora, pode-se dizer, com tão ou mais razão, que a indisciplina é o forte do brasileiro.

Indisciplina, improvisação, liberdade, criatividade – tudo isso se liga, ainda que com sofrimentos, tumultos, injustiças. Nossa bandeira bem que poderia carregar “desordem e progresso” como lema – a desordem e o desequilíbrio que impulsionam o progresso e o desenvolvimento. O lema positivista “ordem e progresso” é um oxímoro. E a desordem, além do mais, é um ingrediente indispensável do charme brasileiro.

Deve-se, talvez, abrir uma exceção para o paulista, que não chega, porém, a ser propriamente brasileiro. Mas não vamos exagerar – digamos que o paulista é um brasileiro muito peculiar. Não fossem as migrações internas do século 20, São Paulo nos pareceria provavelmente um outro país. A principal universidade do Estado, a USP, dá, às vezes, a impressão de situar-se não no Brasil, mas em algum departamento francês de ultramar, como notou ironicamente o filósofo uspiano Paulo Arantes em livro publicado nos anos 1990.

Deixo o paulista de lado e volto a tratar do brasileiro. Bem que sei que há os sustentam que pouco ou nada se deve esperar das nações jovens e emergentes, como a nossa. Elas teriam, supõe-se, todos os defeitos das nações antigas – e mais esse: a imaturidade.

Mas não seria o Brasil uma exceção? “Brasil, coração do mundo”? “Brasil, um país do futuro?” Títulos de obras de Chico Xavier e Stefan Zweig, respectivamente. Dois sonhadores, que acreditavam ter encontrado em nosso país algo de diferente e promissor.

Os tempos sombrios que atravessamos dificultam muito a percepção das nossas qualidades. Poucos imaginariam, mesmo aqueles que não nos tinham em grande conta, que o Brasil entraria em tal decadência e desceria a níveis tão baixos.

Mas, enfim, não é próprio das grandes nações passar por grandes provações? A China passou pelo seu século de humilhação. A França, por 1940 e Vichy. A Alemanha, pelo nazismo e a derrota na Segunda Guerra. Os Estados Unidos, pela guerra civil. A Rússia, pelas invasões napoleônica e hitlerista e por Boris Yeltsin. Todas elas se reergueram para continuar
imprimindo a sua marca original ao caminho da humanidade.

A Rússia de Yeltsin é um exemplo recente e instrutivo de como um grande país,quando caí nas mãos de um governo ignorante e subserviente, pode ficar reduzido a situação de inacreditável dependência. A Rússia na década de 1990 rastejava, literalmente rastejava.

Mas reergueu-se sob Vladimir Putin, reorganizou a sua economia e o seu Estado nacional e voltou a desempenhar papel-chave no mundo. O Brasil terá de passar por processo semelhante de reorganização e reconstrução.

Brasil, coração do mundo. Brasil, um país do futuro. Formas diferentes de expressar a visão de que o Brasil por sua história, sua cultura, sua dimensão, sua diversidade, está destinado a desempenhar papel único no mundo. Um papel que passa antes pelo sentimento, pela alegria, pelo coração do que pela lógica e pela razão. Como deve ser, uma vez que lógica também nunca foi nosso forte. O brasileiro não tem, nunca teve o menor respeito pela coerência, pelo sistemático. Ou antes: tem, sim, o respeito que se exige dos humildes, mas passa longe da adesão e da verdadeira reverência. E, se pudesse, trataria a lógica e os lógicos aos pontapés.

Mas estou resvalando para a caricatura. Eis o que queria ressaltar: o Brasil tem uma vantagem imensa em comparação com a grande maioria dos países – a extrema diversidade como princípio constitutivo. É quase como se reunisse todas as principais nações dentro de si, dentro da sua formação. Um país inerentemente global, portanto. E, enquanto tal, posicionado para dar uma contribuição singular à civilização mundial. A nossa diversidade original e, em seguida, a tendência à mistura, à miscigenação, ao ecletismo, ao sincretismo criaram umcapital original inesgotável, um poço sem fundo de valores, perspectivas e imaginação.

Coragem!

O autor é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países. Lançou nofinal de 2019, pela editora LeYa, o livro O Brasil não cabe no quintal de ninguém: bastidores da vida de um economista brasileiro no FMI e nos BRICS e outros textos sobre nacionalismo e nosso complexo de vira-lata. E-mail: [email protected] Uma versão resumida deste texto foi publicada na revista “Carta Capital” em 16 de outubro de 2020.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *