Antes o entregador de pizza que o entregador de país

Existem muitas diferenças entre os brasileiros que saíram daqui para tentar a vida como entregador de pizza nos Estados Unidos e aquele que os chama de “mal-intencionados” e referenda a ideia de que eles, os imigrantes ilegais, são “uma vergonha” para o Brasil.

As moças e rapazes que se atiraram a esta aventura premido pela falta de perspectivas aqui, ao menos, foram pessoalmente corajosos e expuseram-se a riscos e limitações para viver e tentar a sorte de uma vida melhor.

Descreram da mudança em seu país mas, afinal, quando nossa própria elite repete até cansar nossos ouvidos que “o Brasil não tem jeito”, que é que lhes pode ser severo? O que puseram em jogo era seu: suas próprias vidas.

Mas um presidente da República que vai para os EUA oferecer a entrega de seu país, incapaz de falar uma frase sequer sobre os problemas – salvo o delírio de dizer que nos está tirando do “comunismo” – e necessidades do país e que põe em risco, por sabujismo, nossas relações comerciais (anteontem com a China e ontem com a França) não está colocando em jogo o que é seu, mas o que é do Brasil.

Oferece à malta que o segue promessas de que a vida aqui será como lá, se aderirmos cegamente a seus padrões, embora a eles estejamos aderidos há um século ou mais e continuemos a ser o quintal dos fundos, tomado pelo matagal e pelo lixo.

Pretende que os cidadãos brasileiros possam ter como própósito, como diz seu filho, “pegar uns dólares dos americanos”.

Se fosse para entregar pizzas e não o Brasil não seria tão vergonhoso.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. O que esse imbecil e seu chefe Trump esquecem, é que os EUA foram, e são, um país de imigrantes.

  2. Brito é muito bonzinho em acreditar que a maioria dos expatriados daqui não são da mesma gentalha que votaria no Coiso. Meu círculo familiar e de conhecidos e agregados que vão pros “Steites” ou pra “Zoropa”, tudo classe média e pobre que se acha rico que vive dizendo que cansou da roubalheira do PT, que brasileiro é um povo preguiçoso e vai lá lavar prato e ser tratado como cucaracha, achando que tá melhor. Não tenho dó, porque você pode tirar dos eleitores que votam do exterior, quem eles mais votam, gente de direita. Bolsonaro ganhou no exterior, Aécio, Serra, e tantos outros.

    Não perdem por esperar porque a economia dos EUA está a uma bolha de entrar em colapso. E dessa vez, com as políticas de Trump e Obama que não reforçaram regulamento contra Wall Street, não tem como se recuperar. Os EUA dizem estar com um desemprego em 3,8%, mas vários economistas apontam que isso é uma maquiagem. O desemprego real nos EUA está entre 12 e 18%. O que tem bastante é sub-emprego, pois como lá se paga em horas e não salário mensal, muita gente trabalha só algumas horinhas, tendo que compensar com um segundo emprego, e até mesmo um terceiro.

    Brasileiro no exterior tem que ser tratado como a barata que é, nisso pelo menos Bolsonaro acertou, muita dessa gente estava celebrando Trump quando ele ganhou, vive xingando o Brasil e o brasileiro, celebra as políticas dos EUA, e celebrou Bolsonaro.

  3. Eu não quero o padrão de vida americano no Brasil, quero o padrão de vida Noroegues. Nossa elite é tão estupida que não consegue ver a diferença entre um país ser a maior economia mundial e ser um bom lugar pra se viver. O Brasil “ainda” está entre as dez maiores economias e não é um dos dez melhores lugares pra se viver.

  4. Será que o trump vai receber este idiota desqualificado? Vai conseguir manchar o nome do já manchado presidente deles.
    Devemos aos golpistas esta joia rara de babaquice: bozo.
    Tentam destruir o país.

  5. Li ontem que Bolsonaro será condecorado com o Avental de Ouro, concedido pelos USA aos governantes estrangeiros mais serviçais. O último homenageado foi o atual presidente da Colômbia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.