Artigo põe Bolsonaro onde está. Mas os liberais,nem tanto, vão para o caldeirão

poorlaw

Demolidor e imperdível o artigo de Celso Rocha de Barros na Folha de hoje, sobre o fato de que a saída dos ditos “liberais” do “Livres” – um agrupamento de direita que pretende ares intelectuais – demonstra, segundo ele,  que têm “noções de higiene”. Já não posso concordar com Barros quando fala que teriam, também, “consistência ideológica”.

É? Espere só para ver se não mergulham de cabeça no “Caldeirão do Huck”, caso se confirme esta aventura de um “João Dória de escala nacional”, oco de pensamentos, falso como um cenário e “puro” porque é rico?

O articulista encarna o inglês John Locke – filósofo do século 17, estamos bem parados no tempo, não é? – como paradigma do liberalismo. Bem, de semelhante ao plano “liberal” daqui, neste século 21, além no nariz adunco, talvez se ache no delicadíssimo texto do súdito de Sua Majestade, “Método de Esquema para o Emprego do Pobre“, propondo :

  • Direcionar para o trabalho as crianças a partir de três anos, das famílias que não têm condições para alimentá-las.
  • Supressão das vendas de bebidas não estritamente indispensáveis e das tabernas não necessárias.
  • Obrigar os mendigos a carregar um distintivo obrigatório, para vigiá-los, por meio de um corpo de espantadores de mendigos, e impedir que possam exercer sua atividade fora das áreas e horários permitidos.
  • Os que forem surpreendidos a pedir esmolas fora de sua própria paróquia e perto de um porto de mar devem ser embarcados coercitivamente na marinha militar, outros pedintes abusivos devem ser internados em uma casa de trabalhos forçados, na qual o diretor não terá outra remuneração além da renda decorrente do trabalho dos internados.
  • Os que falsificarem um salvo-conduto para fugir de uma casa de trabalho, devem ser punidos com um corte de orelhas e, na hipótese de reincidência, com a deportação para as plantações, na condição de criminosos.

Posto no lugar o narigudo do século 17, estabelecidas as semelhanças entre Locke e os nossos neoliberais – ainda não se tinha inventado a farinata – vale a leitura do bem escrito texto de Barros:

Os liberais estão corretos em se recusar
a fazer companhia a Bolsonaro

Celso Rocha de Barros, na Folha

Bolsonaro arrumou um partido. É o PSL, Partido Social Liberal. Até então, o candidato da molecada que se acha macho alfa porque joga muito videogame de tiro estava negociando com outros partidos do baixíssimo clero da política brasileira: PSC, Patriota, e o PR de Valdemar Costa Neto. Isso, aquele Valdemar Costa Neto. Esse mesmo.

A afinidade é natural: Bolsonaro é baixo clero puro-sangue. Nunca teve qualquer relevância parlamentar, nunca participou de um único debate relevante, nunca aprovou um projeto de lei que valesse nada. Quando o PSDB derrotou a hiperinflação, Bolsonaro queria fuzilar FHC. Quando o PT tirou milhões de brasileiros da miséria, Bolsonaro estava decidindo qual das ministras petistas merecia ser estuprada.

Bolsonaro se encostou no salário de deputado faz 30 anos, enfiou seus filhos na mesma carreira e é realmente a cara do PSC, do Patriota, de Valdemar Costa Neto. Bolsonaro é um Severino Cavalcanti que só teria coragem de brigar com Gabeira se alguém já tivesse amarrado o ex-guerrilheiro no pau-de-arara.

O PSL já foi baixíssimo clero como os outros desta lista, mas vinha tentando se reabilitar. Um pequeno grupo liberal, o “Livres”, entrou em massa no PSL, conquistou diversos diretórios e vinha tentando dar ao partido a cara de um partido claramente liberal. Era uma boa ideia: seria ótimo se o liberalismo se apresentasse nas eleições brasileiras para o debate aberto.

Mas o Livres foi traído pelo presidente do PSL, Luciano Bivar, que todo mundo achava que era só mais uma mediocridade produzida pelo baixo clero da política brasileira e, vejam só, era mesmo, estava todo mundo certo, parabéns para todo mundo.

Ao que parece, Bivar entregou o partido para Bolsonaro em troca do lugar de vice na chapa. É isso aí, Bolsonaro, candidato a vice tem que ser assim, leal, sujeito homem que cumpre acordo. Tenho certeza de que será um sucesso, você sabe que eu só quero o seu bem.

Diante dessa traição bastante vira-lata por parte do PSL, os membros do Livres saíram do partido, no que demonstraram consistência ideológica e noções básicas de higiene.

Estão corretíssimos os liberais que se recusaram a fazer companhia ao lambe-Ustra: ou o sujeito é liberal, ou apoia Bolsonaro. Afinal, liberalismo econômico qualquer sujeito afim de puxar o saco de rico defende. O teste do liberal sincero é a defesa do liberalismo político, das liberdades individuais, da democracia. E o liberalismo político implica a defesa dos direitos humanos. Foi o velho John Locke que mais ou menos inventou as duas coisas, afinal. Procurem os depoimentos de Bolsonaro sobre direitos humanos e calculem o que ele faria se pudesse colocar as mãos em John Locke. Depois de alguma outra pessoa ter amarrado o Locke no pau-de-arara, claro.

O sujeito defender desregulamentação de empresa de rico (mesmo quando isso é uma boa ideia) só quer dizer que ele quer ser convidado para as festas certas. O que o Locke quer saber é se o sujeito defende que a polícia não pode entrar em barraco de favela sem o mesmo mandado que precisa mostrar em bairro de classe média. E o Locke defendia o direito à insurreição, de modo que, se eu fosse vocês, não provocaria o sujeito, não. Liberalismo político é coisa séria. Bolsonaro: nunca será.

Cá pra nós, Celso, você acha que ele (e eles) estão muito longe daquelas propostas do Locke?
contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Bolsonaro é uma piada de mau gosto, mas há muitos coxinhas que acham graça, pois tem um intelecto de dois neurônios.

  2. Ao que parece, essa turma do “Livres” abrigada e perdida no PSL, deveria era ter ido para o Novo (que é velho de ideias e de lideranças banqueiras).

    Por outro lado, não vejo como sendo tão grandes as incoerências entre os grupos.

    O liberalismo radical, desses que se denominam anarco-capitalistas, é tão somente o outro lado da mesma moeda autoritária do neofascismo. Só que, sem Estado. Apenas o mercado em seu estado “puro”, que todos sabemos a que tipo de regime levará.

    1. Num anarco-capitalismo os que tiverem mais dinheiro e condições serão os déspotas, fazendo o regime nazista parecer coisa de jardim de infância.

  3. Quem derrubou a hiper-inflação foi o saudoso e grande brasileiro Itamar Franco a quem FHC e o PSDB não tiveram o menor pudor de apunhalar pelas costas roibando-lhe o plano Real.

  4. Caro Fernando Brito,

    Quem é o público leitor da Folha golpista atualmente? Sem necessidade de qualquer pesquisa, podemos afirmar que é formado por representantes da aristocracia/oligarquia (princialmente paulista, mas também espalhada por outros estados), herdeira e sucessora dos senhores de escravos, pela turma da bufunfa, bem como pela classe média vira-lata, que desde o início do século XIX, quando Dom João VI e a Côrte Portuguesa vieram para o Brasil, fugindo das invasões napoleônicas, compõem a burocracia estatal. É para esse público que Celso Rocha Barros escreve; daí o tom elogioso a John Locke, em que pese a crueldade desse “pai do liberalismo”, como bem sintetizado no cabeçalho crítico que introduz o artigo desse colunista do PIG/PPV.

    Veja vocês, Fernando Brito e leitores do Tijolaço, que o PIG/PPV começa a ‘tratorar’, a demolir, sem dó, o nazifascista Boçalnaro. Eu previ isso desde o início do ano passado e alertei: o PIG/PPV está apenas aguardando autorização das “chefias” para triturar e destruir o nazifascistóide, boquirroto, desqualificado, terrorista e ex-militar ‘bunda-suja’. Como previ, os ataques já começaram e estão se intensificando; as capivaras de Jair Bolsonaro e herdeiros começam a ser divulgadas; a evolução patrimonial, as declarações de renda e imóveis sempre MUITO abaixo do valor de mercado, os auxílios e mamatas recebidos pela família de parlamentares, os vários aspones a serviço deles, a irrelevância da carreira parlamentar, as entrevistas em que Boçalnaro se disse sonegador de impostos, etc., tudo isso mostra que o processo de ‘moagem’ da família de boquirrotos nazifascistóides está em plena marcha.

    Diferentemente do Jornalista e Editor deste Tijolaço, sempre achei que os números de Boçalnaro eram/são inflados. NUNCA acreditei que esse nazifascista boquirroto e desqualificado tenha esse exército virtual de milhões de apoiadores que lhe atribuem. Assim como não havia povo nem massa trabalhadora nas manifestações verde-amarelas organizadas pelos golpistas, Boçalnaro não tem esse exército de milhões de fiéis apoiadores que lhe atribuem nas chamadas “redes sociais digitais”. Embora os golpistas tenham chegado a afirmar que uma “manifestação” na Av. Paulista reuniu mais 1 milhão de pessoas, eu e outros PROVAMOS que isso era falso, pois a avenida, mesmo com uma improvável lotação de 4 pessoas/m2 não comporta seque 450 mil pessoas. NUNCA acreditei nem acredito que as intenções de voto em Boçalnaro sequer atinjam 17%, muito menos 20% (ou até mais), como algumas “pesquisas” chegaram a lhe atribuir. É bom lembrar que em 2014, alguns institutos mais picaretas chegaram a divulgar “pesquisas”, mostrando Aécio Cunha à frente da Presidenta Dilma Rousseff, o que JAMAIS ocorreu, apesar dos crimes de imprensa e de Estado para colocar o playboy na presidência da república.

    Não se surpreendam se mais capivaras e esqueletos forem retirados dos armários dos Boçalnaros e se as próximas “pesquisas” de intenção de voto mostrarem uma acentuada queda nos números do ex-militar ‘bunda-suja’.

  5. “Os que forem surpreendidos a pedir esmolas fora de sua própria paróquia e perto de um porto de mar devem ser embarcados coercitivamente na marinha militar ” francamente, desconhecia na literatura inglesa, a figura do John Locke – filósofo do século 17, todavia, o que mais espantou-me foi sua proposição liberal acima copiada. Fiquei imaginando – depois de embarcados o que era feito deles (mendingos)? Jogados ao mar? Deixados em alguma ilha? Ou recuperados clinicamente para retornarem à alguma atividade? Parece que a historia silencia sobre seu final. Voltemos ao Brasil. Será que eleições desses possiveis liberais, seus projetos sociais contemplariam essa truculencia, coisa inerente à direita politica. Os (eleitores) pobres do Brasil que se cuidem para não serem amanhã, esses cidadãos (mendingos) ingleses…

  6. E tem gente que se dispõe a lamber o saco do “mito” de graça ou por ninharia… Mas está tudo dentro dos conformes: já fazia parte dos planos da mídia golpista começar a atacar “o mito” no ano eleitoral. Deixaram o cara em paz durante todo o processo que culminou no golpe até chegar ao “julgamento” de Lula para que seus seguidores engrossassem o coro dos golpistas. Uma vez atingidos os objetivos, é hora de se livrar do “mito” para que ele não atrapalhe que algum pau mandado da banca, dos eua e multinacionais seja “eleito”. Agora tentarão impedir que ele cresça além dos seguidores ignorantes que conquistou; se possível, até fazer com o “mito” perca alguns seguidores.

  7. Partido Social Liberal…
    Me faz lembrar dos coxinhas que insistem que o nazismo é socialista…
    Pois é… agora, com “social” no nome do partido… já está perto de declararem que Bolsonazi é de esquerda…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.