Barroso faz o que Bolsonaro deveria ter feito

A ordem do ministro Luiz Roberto Barroso para que Polícia Federal e Forças Armadas intensifiquem as buscas pelo indigenista Bruno Pereira e pelo jornalista inglês e que apresentem relatório sobre as condições de segurança naquela área remota da Amazônia é, sem tirar nem por, o que deveria ter sido feito pelo Presidente da República, dias atrás.

Mas ele não o fez. Passou dois dias, quase, em silêncio e, quando abriu a boca, foi para dizer que os dois tinham se metido em um “aventura nada recomendável”. Só depois da imensa repercussão do caso no exterior deixou que as forças de segurança civis e militares se empenhassem nas buscas, ainda assim de maneira limitada ou dúbia.

Ninguém consegue tirar a impressão de que a reação de Bolsonaro não contém a sua conhecida antipatia a índios, terras indígenas, indigenistas, jornalistas e, sobretudo, jornalistas voltados para pautas ambientais.

E, pelo sentido inverso, como se sentem identificados com o presidente os garimpeiros, os caçadores, os destruidores da floresta e de sua fauna, os madeireiros, os “passadores de boiada”.

Hoje, no programa Bom para Todos, da jornalista Talita Galli, na TVT, comento esta omissão de Bolsonaro que, agora, sobre a pressão mundial, ele está tentando remendar.

O estrago, porém, é irreparável, tanto quanto é irreparável o que, em princípio, representa a perda de duas vidas humanas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.