Bolsonaro e o “pega ladrão”

 

Na falta de explicações sobre as denúncias de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin, Jair Bolsonaro apelou para a velha história do gatuno que grita “pega ladrão!” para distrair os circunstantes da tunga que está fazendo.

Hoje, sobre a razão de – segundo ele – o laboratório chinês Sinovac estar oferecendo vacinas da US$ 5, enquanto as vacinas processadas aqui pelo Instituto Butantan custam US$ 10.

Estranho: há dois dias a Sinovac Biotech Ltd. deu ao Butantan uma declaração reafirmando que só o Instituto pode comercializar suas vacinas no Brasil, com exclusividade, sem nenhuma referência a negociações com o Governo Federal.

Governo que, todos sabem, trata com antipatia e quase hostilidade as vacinas vindas da China.

Bolsonaro diz que mandou “a documentação” ao Tribunal de Contas, à CGU e ao Ministério da Justiça, sem dar mais detalhes.

A “documentação” da Covaxin, comprada através intermediários, cinco dólares mais cara, foi para o lixo, e acabou dando no que todos sabemos hoje.

Mas, ao que tudo indica, a politicagem contra o governo de São Paulo vai alimentar uma história de que “só há corrupção entre os adversários de Bolsonaro, esfregando na lama a imagem de um dos mais tradicionais institutos científicos brasileiros, o Butantan.

A esta hora, Dimas Covas, que já andava “pistola” com a história da compra “pirata” da vacina por Eduardo Pazuello, deve estar se preparando um coice monumental no presidente.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *