Bolsonaro parte para a baixaria imunda

Aí em cima estão dois tweets postados à noite por Jair Bolsonaro.

Como não há, no Executivo, “decisão absurda” que não possa ser revogada por ele e, no Legislativo, vive-se, nas suas palavras, um “casamento perfeito” com Arthur Lira, o presidente só pode estar se referindo ao Supremo Tribunal Federal como as “autoridades” que fazem isso.

Estas decisões seriam, está em tweet seguinte, ” inquéritos e acusações absurdas, … Daí quebram sigilos, determinam buscas e apreensões, decretam prisões arbitrárias, etc…” que “quando nada têm contra seu alvo principal, vão para cima de filhos, parentes, e amigos do mesmo”.

A base da acusação é um livro de um dissidente cubano, publicado sete anos atrás, que acusava o regime cubando de gravar pessoas em situações intimas para controlá-las. Assim, vaga e genericamente.

O “Daniel”, no texto, seria uma referência ao codinome que, nos anos 60, José Dirceu, dirigente estudantil, usava para escapar à repressão da ditadura.

Covarde, Bolsonaro faz acusações vagas e dissimuladas, para não ter de responder por elas.

Não é, como se diz nas redes, Carlos Bolsonaro que tomou o perfil de Twitter do pai.

O próprio Jair Bolsonaro questionou, dois dias atrás, se o ministro Luiz Roberto Barroso era “refém de alguém”quando falou que das alegações de fraude mostra provas “se quiser”.

O presidente do Supremo tem a obrigação moral de interpelar Jair Bolsonaro, para que esclareça o que disse.

Mas não o fará, porque não tem tamanho moral para isso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *