Bolsonaro prepara “comandos anti-Lula” de provocação

Jair Bolsonaro voltou a bater hoje em uma tecla repetidamente soada por ele e seus seguidores.

“Lula não consegue comprar uma pinga no botequim que vai ser vaiado”, disse hoje, em entrevista à Rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, numa variante do que volta e meia fala.

Não é uma opinião, é uma voz de comando.

Ele prepara as suas falanges, mesmo em estado minguante, para agredir e fornecer “provas” de que ainda tem o controle de massas e que o ódio a Lula permanece nos patamares que o fizeram ser eleito em 2018.

Meia dúzia de fanáticos provocadores podem, em meio a centenas de pessoas , criar um clima de provocação e até de violência.

Quanto mais se apequena, mais brutal vira o bolsonarismo. Já há poucos, ou nenhum, inocente entre eles.

É como se fará a “narrativa” – neologismo da moda entre bolsonaristas para substituir mentiras e armações – de que as pesquisas são falsas e que não há o maciço apoio ao candidato que encarna a oposição ao presidente.

Claro que a rua, seu ambiente natural, será importante para Lula, mas é evidente que, agora, é tempo de não entrar nas armadilhas que lhe prepara Bolsonaro.

Tudo o que ele deseja é conflito, pancadaria e, se possível, uma brutal ação policial que, exceto pelos acontecimentos de Pernambuco, até agora tem se conseguido evitar.

À medida em que já não pode mobilizar, caminha para provocar e manter, no grito, o ódio do qual se alimenta.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *