Bolsonaro reduz Moro à servidão

Jair Bolsonaro, informalmente, confirmou que Moro vai perder o controle que ainda mantinha sobre o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), através de seu presidente, Roberto Leonel, um ex-integrante da República de Curitiba.

Ao dizer que Paulo Guedes é livre para trocar, quando quiser, o comando do órgão, que tem acesso à movimentação financeira de qualquer pessoa, dá o sinal para que isso aconteça, até mesmo se não estiver entre as prioridades do ministro da Economia.

Lembre-se que o futuro ex-chefe do Coaf dispõe de dados que, além de Flávio Bolsonaro, podem se referir a outras áreas próximas do clã presidencial e que, com o clima criado pelas investigações clandestinas sobre ministros do Supremo, sua cabeça e um “agrado” ao STF.

E sobre ser um desagrado a Sergio Moro? Não tem a menor importância, porque Moro não tem para onde ir. Como não pode sair atirando, embaixo do fogo da Vaza Jato e sem a invulnerabilidade da toga, tem é de ficar bem quietinho.

Como disse Bolsonaro hoje, “tem coisas que eu não peço, eu mando, por isso sou Presidente”.

Não precisa nem mandar, a mensagem foi captada.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Sobre a demissão do diretor do INPE, o capitão até taxou os dados de mentirosos, e hoje vem e diz que nao censurou a divulgação, apenas discordou da forma como foram divulgados. Cara de pau. Suas falas estão gravadas.

  2. Que maravilha. Pega fogo cabaré com Savonarola Moro dentro. Espero ver, em breve, outro incêndio, com o capitão dentro e dessa vez com a LEROS ENERGIA.

  3. O Moro so não está puxando uma cadeia, porque rouba,avacalha,conspira e corrompe no Brasil, onde essas práticas todas são consideradas “aceitáveis” e provas de boa conduta.
    Viva a sacanagem !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *