Butantan ofereceu vacina desde julho e Governo não a quis

Com ofícios nas mãos, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, comprovou que o Ministério da Saúde recebeu ofertas – tal como ocorreu no caso da Pfizer – milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para serem aplicadas ainda em dezembro de 2020.

E que, também como aconteceu com a Pfizer, não houve nenhuma resposta do governo federal.

Covas garantiu que, se tivesse havido interesse e suporte financeiro para a concretização dos acordos com a Sinovac, teríamos 60 milhões de doses até dezembro e cerca de 100 milhões de doses entregues até agora.

Pior: que se poderia, com a adaptação de uma fábrica inativa do Butantan, uma produção em escala muito maior de imunizantes. A fábrica está sendo feita, apenas, com recursos doados por empresas e investidos pelo Governo de São Paulo.

Ainda não se entrou na questão do retardo na apresentação/aprovação à Anvisa do processo de concessão de registro emergencial à Coronavac e sua relação com as pressões para que Dória concordasse em entregar toda a produção ao Governo Federal, sem desenvolver um programa próprio de imunização.

Para quem quiser uma pista sobre isso, basta ver a quantidade de doses contratadas inicialmente pelo Butantan à Sinovac: 46 milhões de doses, o mesmo número dos habitantes de São Paulo. Portanto, o suficiente para dar a primeira dose a todos os paulistas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *