Cem dias sem governo

Fábio Fabrini, na Folha de hoje, antecipa o que teremos, na quarta-feira da próxima semana, quando se completaram os 100 dias que o próprio Jair Bolsonaro estabeleceu como prazo para que aparecessem os resultados de seu governo.

Não seria difícil: afinal, o país estava há dois anos sem um, desde que o senhorr Michel Temer faleceu na gravação do “tem de manter isso” com Joesley Batista.

Nem assim.

A impressão generalizada é que, como diz Fabrini, o país se tornou uma usina de factóides, que ele lista, com muitas ausências.

Agora, Bolsonaro antecipou sua volta ao Brasil para, supostamente, entregar-se à negociação da reforma previdenciária.

Corre o risco de fazer desandar a trégua que Rodrigo Maia lhe concedeu. Afinal, como na tirada de Romário, Bolsonaro calado é um poeta.

Governo Bolsonaro virou usina de factoides

Fábio Fabrini, na Folha

Jair Bolsonaro está perto de completar cem dias de governo sem alcançar metas para o período.

Na saúde, prometeu ampliar a cobertura de cinco vacinas, mas as campanhas de imunização não ocorreram.

Medidas econômicas para facilitar o comércio internacional empacaram por falta de ambiente tributário.

O Itamaraty compromete-se a baixar tarifas do Mercosul. Ainda falta, porém, combinar o jogo com argentinos, paraguaios e uruguaios.

Se falta ao presidente e seus ministros eficiência para essas e outras missões administrativas, eles têm mostrado talento de sobra para fabricar polêmicas baseadas em premissas falsas ou fatos inexistentes.

Quase que semanalmente Bolsonaro e sua equipe elegem um cavalo de batalha sem vínculo com as prioridades do país e dele se ocupam.

Já se lançou suspeita sobre o valor pago pelo Ibama no aluguel de carros. Descobriu-se que o contrato gerou economia e tinha OK do TCU.

Na Educação, o que o ministro Ricardo Vélez produziu de mais expressivo foi uma Lava Jato de estimação, que mira desvios em programas.

Bolsonaro defendeu a iniciativa. Semana passada, Vélez admitiu que não há fato concreto a ser apurado.

O presidente estigmatizou o carnaval no episódio do golden shower.

Dias atrás, negou a história e declarou que não houve ditadura militar. Seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, tirou da manga outro embuste ao contrariar o consenso acadêmico e defender que o nazismo era de esquerda.

Produzir factoides em série desvia a atenção popular dos desafios reais do governo e só cumpre o propósito de escamotear a já demonstrada inépcia do presidente e seus auxiliares para as funções que exercem.

Bolsonaro embarcou para Israel deixando uma desordem, criada por ele próprio, na articulação política. A economia continua estagnada, a reforma da Previdência faz água, o desemprego sobe, mas a tendência é que se invente mais uma parlapatice diversionista para tirar o foco de tudo isso que está aí.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. E, pelo visto, afora os mimos para com EUA e Israel, nosso presidente não faz nada mais que viajar, passear, fazer cenas de cristão, compras, e, com seu filhote – que deveria estar trabalhando – vão às compras, trazem seus brindes, e voltam como se se sentissem muito importantes pelos afagos de Trump e Netaniahu. Pouco lhes importa se a inflação está subindo, o PIB é uma merda, ou a Educação e a Saúde caminham em decadência, ou, ainda, se para umas vaguinha de emprego em SP afluíram ao local mais de 15.000 brasileiros esfomeados e inadimplentes.
    Vamos brincar de ser presidente, e vamos viajar, passear, conhecer o mundo, enquanto presidente.

    1. Má notícia.
      Tudo ainda pode, e, com certeza, vai, ficar muito, mas muito pior.
      E nem precisa esperar até que amanheça um novo dia. O Bozo não descansa nem dorme em sua epopeia de imbecilidades!

  2. A esquerda precisa manter o foco. Diivulgar um programa com o básico que a maioria espera de uma nova política e ficar cobrando. E por que não há ainda nenhum pedido de impeachment para o Presidente? Mudou a lei, ou a improbidade praticada, a quebra de decoro e o descumprimento da Constituição que ele jurou ainda não são suficientes?

  3. A massa retardada ainda acredita que Dilma caiu porque a situação económica era “caótica” .
    Assim fosse este imbecil não devería ser “impichado” ,o caminho sería ir direto ao paredão.

  4. Sem dias de governo. Cem dias de factóides, mandos, desmandos, bravatas, disse-não-disse, passeios constrangedores, pesadelos diplomáticos, vestimentas patéticas e tweets… muitos tweets. Cem dias de governo desarticulado, economia estagnada e desemprego em alta. Mas importante é que tiramos o PT, como berrou o meu vizinho no dia da eleição, anunciado o fatídico resultado. Mas veja, temos tweets, muitos tweets… tweets pra dar e vender.

  5. É preciso q junto com o circo, o imperadorzinho de o pão, caso contrário a fórmula não funciona. Cansei desse pais.

  6. Olha, o que eu quero ler nos jornais é uma autocrítica real.
    Só se resolve assim:
    Façam matérias confessando que protegeram o embuste Bolsonaro e igualaram por ódio ao PT um professor da USP, qualificado, experiente, que tem um currículo excelente, na prefeitura de SP e no MEC com este idiota que tá na presidência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *