Centro-direita, cega pelo ódio, caminha para o suicídio

Há anos este blog chama a atenção para o fato de que a política de Jair Bolsonaro, desde antes de sua posse, sempre foi a de ser o “imperador da direita”, usando de todo e qualquer artifício para isso: armas, invocações a Deus e manipulação da fé, corrupção orgânica das bancadas parlamentares, demolição das instituições e o seu oferecimento às adormecidas, mas não extintas, ambições militares dobre o controle do país. Não menos importante: o mercado viu do ambicioso candidato e presidente, não sem razão, o caminho para os ganhos imediatos à custa do retrocesso social.

Não que todas estas áreas não o tenham percebido o risco de desastre, mas, escancaradamente, buscavam surfar a onda bolsonarista acreditando, cada um, que iria sair lucrando disso também politicamente, tornando-se mais poderosas.

O resultado está aí e dispensa descrições. o Brasil milicianizado, o Congresso prostituído, o Judiciário metido em brigas de rua, os militares excitados (perdão pela ironia) e o país – que Paulo Giedes diz, de novo, estar “decolando” – cheio de armadilhas fiscais e inflacionárias cuja única dúvida é se vão disparar antes ou depois das eleições.

Fixo-me, porém, nas estruturas políticas. Mal ou bem – e com os incríveis sacrifícios pessoais de Lula – a esquerda sobreviveu, mas a direita que não fosse a do fanatismo bolsonarista, não.

É incrivelmente verdadeiro o que diz hoje a historiadora Carla Teixeira, no UOL:

Sem Sergio Moro, João Doria ou qualquer outro nome com condições de fazer a disputa, a terceira via está declaradamente morta. O bolsonarismo, ao contrário, segue mais vivo do que nunca, alimentando-se como um verme dos restos apodrecidos de qualquer projeto político pretendido pela direita brasileira. A ânsia por implantar a agenda econômica neoliberal — que paralisa os investimentos públicos e entrega as riquezas do Brasil para o capital privado — levou ao golpe de 2016. A necessidade de sua manutenção fez toda a burguesia, incluindo PSDB, MDB, DEM et caterva, a apoiar Bolsonaro em 2018. Na prática, os partidos da direita liberal abriram as portas da República para o bolsonarismo, perdendo força eleitoral e política no país. Cavaram a própria cova.

De fato, é difícil não ver outra situação, com os partidos de (vá lá) centro-direita arruinados e escolhendo de candidatos apenas para que sirvam de biombo a sua adesão a Bolsonaro e se prestem as disputas pelo controle cartorial das siglas.

Curiosamente, está nas mãos de Lula salvá-la do seu algoz – que não entendem ser seu destruidor – e oferecer, por razões mais políticas que eleitorais, um lugar para que Geraldo Alckmin figure, num novo governo, como facilitador de uma reorganização destas forças, num inevitável reagrupamento de partidos pós-eleitoral.

É o preço a pagar pela normalização da vida brasileira. Não só estabelecer um novo governo, mas também uma nova oposição.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.