Chave do cofre na mão do Centrão

O descompromisso de Jair Bolsonaro com a administração do país ficou, de novo, evidente.

O decreto que coloca a execução do Orçamento da União nas mãos de Ciro Nogueira, ministro da Casa Civil, é sinal de que as verbas consideradas “políticas” vão escorrer como lama do barranco dos cofres federais.

Nenhum remanejamento de verbas – das emendas ou fora delas – pode ser feito, agora, sem a prévia anuência do “delegado do Centrão” no governo e Paulo Guedes passa à posição de um simples contabilista, sem poder de decisão.

A prioridade única será a liberação da montanha de verbas destinadas aos parlamentares, agora transmutados em cabos eleitorais do atual presidente.

O “critério técnico” é “isso dá voto?”

Ninguém se espante se faltar dinheiro até para despesas obrigatórias, porque o próprio governo admite que a conta dos pagamentos de vencimentos não fecha em R$ 9 bilhões, mesmo sem os gastos das “bondades” que Bolsonaro pretende (ou pretendia) dar a policiais.

Tudo entra na conta de ser culpa do pessoal do “fica em casa” e, com a provável complicação da economia com a onda avassaladora da Ômicron, nisso aí cabe uma “Parte 2” da desculpa esfarrapada.

A informação de que as contas da ONU nos colocam na antepenúltima posição de crescimento do PIB em 2022, numa lista de 170 países, só à frente da Guiné Equatorial e Mianmar é, ainda, otimista.

Vamos é encolher e, com a chave do cofre, o Centrão pouco se lixa para isso. A farinha é pouca, mas seu pirão vem primeiro.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.