Congressistas da ‘manilha’

Os hábitos dos nossos políticos já são ruins, mas quando o governo pilota o Congresso através da distribuição de emendas parlamentares ocultas, tudo fica ainda pior.

O levantamento publicado hoje por O Globo – que abrange menos do que 10% dos R$ 36 bilhões das emendas secretas nos últimos dois anos – mostra o descarado favorecimento da base governista na distribuição de recursos e, entre eles, de seus líderes e daqueles que eles escolhe como relatores do Orçamento e, por isso, passam a ser seus agentes na distribuição de recursos a parlamentares conforme seus votos.

Não quer dizer, claro, que todas s emendas seja espúrias ou inservíveis, mas que ela se tornaram a irresistível moeda de troca nas votações do Congresso.

Davi Alcolumbre e Arthur Lira, além do deputado cearense Domingos Neto (PSD), Ciro Nogueira (PP, agora ministro da Casa Civil), o ex-líder do Governo, Fernando Bezerra Coelho e o também senador Eduardo Gomes, que o sucedeu ficam, só eles, com perto de R$ 1 bilhão dos R$ 3,2 bilhões em emendas analisados.

Entre os partidos (acima com o número de deputados de cada um) a coisa é igualmente gritante. O PSD de Rogério Pacheco recebeu R$ 17,7 milhões “por cabeça” dos seus 35 deputados. O PT, com 53, apenas R$ 622 mil, ou 29 vezes menos.

“Levar recursos” para suas cidades, o que deveria ser uma exigência republicana e impessoal, transforma os congressistas, deputados e senadores, em vereadores federais, mais preocupados com o número de manilhas que terá para distribuir do que com políticas que deem ao povo um país que funcione.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *