Controlador descontrolado

Ver a senadora Simone Tebet, com documentos e declarações dele próprio que demonstravam a “passação de pano” sobre as irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin foi demais para o ministro da Controladoria Geral da União, Wagner do Rosário.

Arrogante e grosseiro durante todo o depoimento, o ex-capitão do Exército perdeu as estribeiras e disse que a senadora estava “descontrolada”, embora seu comportamento, duro, estivesse todo o tempo calmo e contido, exceto quando ele, depois que ela fez uma meticulosa exposição das anomalias no trato com o contrato com a Precisa, de forma insolente, mandou que ela lesse o processo.

O que, claro, recebeu a resposta devida dela e, também, de outros senadores que não admitiram a grosseria, mais direta e chocante que outras q que já tinha feito, porque desta vez impregnada de autoritarismo machista.

O controlador-geral da União, função criada no governo FHC e ampliada no governo Lula, não é lugar para áulicos do governo. Seus dois primeiros titulares, a jurista Anadyr de Mendonça Rodrigues. procuradora da República e Advogada Geral da União, e Waldir Pires, Consultor-Geral da República, ministro e governador da Bahia, eram referência de honradez pessoal que transcendia posições políticas.

Este sujeito que ocupa o cargo agora demonstrou, com suas atitudes, sua completa inaptidão para o exercício da função que ocupa.

Parecia mais interessado em ter um comportamento que agradasse ao “chefe” do que se portar c0mo um ministro de Estado e mais ainda como um que tem como obrigação zelar, mais que qualquer outro, pela lisura dos negócios públicos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email