Depois da ‘rachadinha’ vem a ‘sacadinha’

Vão, com certeza, ser hilariantes as “explicações” da família Bolsonaro sobre a revelação que sua ex-mulher, Ana Cristina Siqueira Vale sacou , ao longo de seis anos, R$ 1,15 milhões em dinheiro vivo, pulverizado em saques quase diários no início – e, dia sim, dia não, depois – ao longo dos anos de 2008 a 2014.

São saques, em média, de R$ 1.000, seguidos, provavelmente feitos em caixas automáticos – sem levantar suspeitas – e que levam a óbvia pergunta sobre seu destino, porque pessoas comuns não gastam R$ 1 mi todos os dias, não é?

Ainda mais que, em 2008, R$ 1 mil valiam mais de dois salários mínimos, o que hoje seriam R$ 1.650 reais.

É tanto que ofuscou os depósitos de R$ 502 mil, também feitos em moeda corrente, na conta da referida senhora.

A suspeita é que, por empregar diversas pessoas de sua família e de sua sócia no gabinete de Carlos Bolsonaro, ela fosse uma espécie de “Queiroz” feminino e uma das origens da montanha de dinheiro vivo usado pela família na compra de imóveis.

O cheque de R$ 89 mil da primeira-dama virou fichinha.

Ainda bem que Jair Bolsonaro disse na ONU que não tem corrupção mais no Brasil, não é?

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.