Encontro de Direito bane Moro por violador de leis

Quem, quatro anos atrás, imaginaria Sergio Moro sendo vetado como palestrante num encontro de estudiosos do Direito, após protestos e ameaça de boicote de outros palestrantes e participantes do evento?

Pois é exatamente o que aconteceu, conta Monica Bergamo esta manhã, na Folha, narrando a revolta dos participantes do 3º Encontro Virtual do Conpedi, o Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito do Brasil , no qual Moro dirigiria um dos debates sobre “políticas anticorrupção e de integridade”.

Por ironia, a palestra de Moro seria patrocinada por outro símbolo do charlatanismo: o laboratório Apsen, fabricante de cloroquina e em favor do qual Jair Bolsonaro telefonou ao primeiro-ministro da Índia, Narenda Modi, para pedir matéria-prima para produzir o fármaco, suposta (e falsa) ferramenta de cura da Covid-19.

Moro, como todo falso herói, é hoje um molambo político, desprezado pelos que prejudicou e também pelos que ajudou a levar ao poder.

É uma alma penada, que está sendo exorcizada pelos tribunais e pela academia. No manifesto de repúdio a Moro, 124 estudiosos do Direito escreveram:

“Ainda que, felizmente, o convite tenha sido cancelado, em virtude da grande contrariedade gerada no meio acadêmico, necessitamos dizer, em alto e bom som, que consideramos um desrespeito a toda a comunidade jurídica do país e às suas instituições a possível presença daquele que foi declarado pelo Supremo Tribunal Federal como suspeito e parcial nos processos que dirigiu, em especial violando a Constituição e as mais básicas regras do Processo Penal brasileiro para alcançar interesses pessoais e políticos”

O ex-todo-poderoso está pagando em vergonha tudo o que fez ao Brasil.

Mas ainda é muito pouco.

Sua pena maior será ver o país eleger aquele a quem mais perseguiu e sacrificou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.