Fiocruz muda planos e tenta importar vacina de Oxford “made in India”

O plano era outro: receber, no início de janeiro, toneladas do Ingrediente Farmacêutico Ativo, o IFA, e envasar no Brasil a “vacina de Oxford”, produzida pela farmacêutica AstraZêneca, para ter alguns milhões de doses prontas em meados de fevereiro.

Agora, a Fiocruz solicitou e a Anvisa aprovou a importação de até 2 milhões de doses deste imunizante, mas prontas e importadas sob o nome de Covidshield do Serum Institute, indiano, onde a vacina foi aprovada hoje pelas autoridades sanitárias.

Não há, é claro, nada de errado em ter uma “antecipação” de vacinas prontas, até que a produção local possa ser implantada, mas não eram estes os planos e nem era isso o previsto no contrato assinado pela Fiocruz com a AstraZêneca.

Também não era isso que a Fiocruz anunciava pretender ao longo da semana passada, quando dizia que teria, a partir de 8 de fevereiro, milhões de vacinas ao menos envasadas aqui para fornecer ao Ministério da Saúde.

Também era previsto que o pedido de licença definitiva ser apresentado até 15 de janeiro, mas a prioridade passou a ser uma licença emergencial, a ser pedida dentro de poucos dias.

É claro que é importante começar a vacinar o quanto antes, mas se esta possível entrega de pequena quantidade de doses for uma “compensação” para a colocação de dezenas de milhões de imunizantes , como precisa o Brasil, para que se trave uma “corrida da vacina” com a Coronavac do Butantan, estaremos diante de uma monstruosidade.

Dois milhões de doses não chegam a imunizar nem mesmo o pessoal médico-hospitalar brasileiro, talvez, 20 a 30% apenas.

Espera-se que a Fiocruz, com a seriedade e a transparência que sempre marcaram Manguinhos, dê informação sobre a chegada da matéria prima para a preparação de grandes quantidades de vacina.

Vacinação coreográfica não nos serve em nada.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.