Folhices e foliões

A Folha de S. Paulo é pródiga em produzir “folhices”, palavra com que se fundem Folha e tolice.

Festa nas ruas, gente se divertindo, com crítica e criatividade, dançando debaixo de chuva e a capa do jornal é um sujeito se aliviando numa parede grafitada com um rosto estilizado.

Em matéria de “golden shower”, páreo duro com o Twitter do ex-capitão no carnaval que passou. Uma “estupidez cult”, ao ponto de ter deixado perceptível o constrangimento do redator encarregado de fazer a legenda anódina.

Registre-se que isso vem de longa data.

Houve um tempo que os repórteres tinha de olhar o mapa ou uma tabela, para escrever a distância do bairro onde tinha acontecido algo importante até o centro, ainda que fossem um poucos quilômetros: “Madureira, a 19 km o centro do Rio”…

A fixação urinária já alcançou, digamos, outro patamar.

Nas eleições de 1989, publicou uma foto do candidato Afif Domingos à porta de um banheiro, sem o pudor de assinalar que o então candidato do PL entrara “para urinar”. Desconheço, claro, como foi o “fact-checking” do episódio.

O caso me deixou, na época, de orelhas em pé.

Logo em seguida houve um debate entre os presidenciáveis na Bandeirantes – não era “Band” na época. Leonel Brizola estava com alguns problemas de saúde que o levavam, repetidamente, ao banheiro.

Ao entrarmos no estúdio ele se preocupou logo em ver qual era o mais próximo, e nestas coisas de antigamente, havia junto a porta uma placa com uma seta e a palavra “mictório”, a coisa assim de metro e meio de altura.

No primeiro intervalo, lá foi o Brizola para o dito cujo. E o macaco velho aqui, mesmo quando novo, foi antes, e…batata! Lá estava o fotógrafo de câmera em punho, esperando o flagrante “casual”.

Apenas encostei na parede, ocultando a placa, sob os protestos do coleguinha, aos quais respondi, “quando se arma, se desarma…”

Capas de jornal são justificadas pela importância da notícia ou pela grande originalidade da imagem. Convenhamos que um xixi na rua não tem uma nem outra.

Ainda mais no dia em que o jornal, despeja um editorial dizendo que o governo transformou o país numa ameaçadora folia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Antes de mais nada, antes de ser golpista, traidora do país, entreguista, elitista, mentirosa, nossa grande imprensa tem uma evidente característica: ODEIA o povo. Ela só faz concessão às coisas populares, quando lhe rendem muito dinheiro.

  2. Senhor Fernando Brito.O senhor,certamente é JORNALISTA,E DEVERIA SABER,QUE TUDO O QUE O JORNALISMO PRODUZIU,DESDE SEU APARECIMENTO ENTRE OS HUMANOS,FOI ,UNICAMENTE,A VONTADE DO “PATRÃO” DE OCASIÃO.PRA QUEM NÃO SABE O QUE SIGNIFICA ,”PATRÃO”,saibam que significa,o DONO DO QUE ELES CHAMAM E MANDAM CHAMAR,DE PROPRIETÁRIO DO QUE CHAMAM,VEÍCULO.Uma marchinha de carnaval do passado,retrata bem o que eles são; o CORDÃO DOS PUXA SACOS,CADA VEZ,AUMENTA MAIS!

    1. Felizmente, Fernando Brito, do “blog de um homem só”, é seu próprio patrão, e de vontade progressista.

  3. Sou baiano (de nascimento e moradia) e estou passando o Carnaval em São Paulo, pela primeira vez. Espantei-me positivamente acompanhando os bloquinhos sem violência e sem sujeira nas ruas. Tudo limpo e sem garis limpando.
    Mas a imprensa empresarial brasileira, tal qual as elites a quem serve de porta voz, só enxerga negatividade no povo brasileiro.
    O povo brasileiro não merece essa imprensa.

  4. A Folha sempre foi contra o Carnaval, exibindo um paulistismo que justifica o xingamento de “túmulo do samba’. Sempre viu São Paulo como o avesso do Rio, que seria a terra da malandragem. Esta era uma das razões pelas quais odiava o Lula: por ele ter feito tanto pelo progresso do Rio. São Paulo locomotiva, apressado, ocupado, sério e super-trabalhador, é a ideologia da Folha. Só que fica difícil conciliar isso com um fascismo caricato que chegou ao poder com seu precioso estímulo. Seu engano era tamanho, que ela sempre acreditou que o Zé Serra encarnava aquela visão sua vintage! A paixão elide a face da verdade. Mesmo que o Serra fosse condenado a duzentos anos de prisão por seus crimes contra São Paulo e contra o Brasil, ele ainda poderia contar com a Folha para uma eventual colunazinha semanal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *