Inflação, apagão e juros: devagar com a ieia de ‘pibão’

A chamada “economia de manual” – a história está cheia de exemplos – não funciona sempre. Mas, no médio e longo prazo acaba, sim, mostrando que fundamentos econômicos influem no desempenho das atividades de produção, serviços e comercialização.

E as esfuziantes predições de um ‘pibão’ para 2021 – como está fazendo o mercado financeiro, estimando em 4,85% o crescimento do PIB – estão, por isso, longe de ser algo seguro, inevitável mesmo.

Um por um, os sinais são contraditórios a isto.

Hoje, haverá uma nova alta de juros: para 4,35% ao ano ou até 4,5%, segundo as expectativas. Em qualquer dos casos, é o dobro do que se praticava no terceiro e quarto semestres de 2020, quando a economia retomou, ainda que parcialmente, do tombo da pandemia, a partir de março. Juro alto, claro, é um contravapor na expansão econômica.

Também a inflação sobe e não há nada que indique que vá frear a queda logo: cessou a queda registrada no dólar desde o início do mês, o petróleo segue em alta, o preço dos alimentos ensaia uma retomada, depois do “refresco” dos últimos meses – e hoje mesmo subiu o gás necessário para prepará-los: 5,9 no GLP, o gás de botijão, e 4,58% no canalizado. A energia elétrica, todos sabem, já tem o impulso da bandeira vermelha fase 2 e pode ter mais aumentos em razão da seca que aponta para problemas de, pelo menos, quedas de energia no país, senão de algum racionamento.

Considere também que energia (elétrica e fóssil) em alta empurram para cima os custos de produção – sobretudo a industrial – e logística, em geral.

Tudo isso fez com que a elevação de preços para as camadas mais pobres da população venha se acelerando – 8,91%, segundo divulga o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea. É valor bem próximo dos 8,896% registrados pelo IBGE no INPC, que mede a inflação para famílias com renda de 1 a 5 salários-mínimos, cerva de 50% das famílias brasileiras.

Só isso praticamente anula os efeitos do novo e parco auxílio emergencial, mínima mitigação de um desemprego que se aproxima dos 15%

Inflação em alta, juros idem e desemprego também, não costumam ser sinais de crescimento da economia.

Agora tempere tudo isso com a possibilidade, cada vez mais presente, de um novo agravamento da pandemia e duvide das previsões de um crescimento “espantoso” da economia que, nem mesmo pelo efeito estatístico da queda da economia em 2020 deverá ser atingido.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *