Irã indica retaliação política e militar aos Estados Unidos

Quem se preocupar em tentar entender os planos do Irã – e não achar que um país com aquele grau de desenvolvimento é apenas um antro de loucos – deveria ler com atenção o discurso do Ministro iraniano das Relações Exteriores, feito hoje em Teerã, num evento com diplomatas árabes.

Mohammad Javad Zarif disse, depois dos elogios fúnebres a Qassem Soleimani, que “recorrer à guerra, considerada uma exceção nas relações internacionais, infelizmente se tornou uma regra e regra na região devido à atitude e conduta dos EUA e de seus seguidores”, mas que “este é um círculo vicioso que deve ser quebrado pelos atores regionais e todos aqueles comprometidos com a paz, a tranquilidade e a estabilidade.”

—O caminho escolhido pelos EUA para si e para a região é caracterizado por insegurança, guerra e derramamento de sangue. Mas o Irã, como a voz unificada que surge do coração de todas as crianças desta terra antiga e orgulhosa, anuncia paz e sossego para a região.

Mesmo prometendo “uma resposta” aos norte-americanos, ao afirmar que ela ocorrerá “no local e no momento em que mais lhes doer” – repetindo as palavras do aiatolá Ali Khamenei – Zarif anunciou que “gostaria de enviar esta mensagem à região, na qualidade de Ministro das Relações Exteriores, de que o Irã continuará a servir como âncora da paz e segurança e também como eixo do desenvolvimento regional. A República Islâmica do Irã adota uma abordagem e política regional proativa e orientada para soluções. Todos os países regionais também devem servir como eixo de solução para vários casos e situações regionais”.

Argumento que os países situados em torno do Estreito de Ormuz – por onde passa perto de 30% do petróleo do mundo – devem abandonar a ilusão de que conseguirão segurança e desenvolvimento “vindos de fora” e que deveriam se unir para usar, sinergicamente, o poder desta região para alcançar um futuro melhor e mais pacífico.

“A segurança não pode ser realizada através de “arremessar pedras na casa do vizinho.” Acreditamos em segurança para todos.”

Sepultados seus mártires, depois que um imenso mar humano firmou sua unidade interna, tudo indica que O Irã está disposto a buscar uma reação que, pelo menos, deixe prejudicada a oposição dos países árabes aliados dos EUA às suas atitudes.

O discurso, na íntegra, está no jornal iraniano (em inglês) Tehran Times e pode ser lido aqui.

Nada, claro, desautoriza esperar alguma reação militar surpresa, até porque a comoção é intensíssima, mas não é isso o que vem indicando Teerã.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

25 respostas

  1. Se ele disse que vai doer no local e no momento certo, entendi a expressão “bolso dos EUA” nas entrelinhas.

    1. Petróleo. Nunca vi um país mais viciado em petróleo. Ele esta pedindo união p fortalecimento interno e libertação da dependência externa. Eh torneirinha fechado do ouro preto p o tio Sam. Vão avançar com gosto no pre sal

      1. Sim, mas também há outro fator: o dólar como moeda franca. O Irã está se aproximando da China e Rússia no que tange a substituição do Petrodólar.

  2. Duas Bases militares atingidas hoje é só o começo da derrocada do império do mal.O mundo precisa excluir os xerifes e se os EUA avançarem mais nada impedira Rússia e China,não por justiça mas por interesse,por sobrevivência.
    Essa merda vai feder e feder muito.

  3. Já começou a retaliação militar. Com 12 mísseis no Iraque, sobre as bases militares americanas naquele país. Café pequeno por enquanto, aguardemos. Mike Pompeo deve estar ligeiramente assustado…rsrsrs espero que morra de susto.

  4. Os Estados Unidos e seus aliados na Europa, principalmente a Inglaterra, há mais de um século levam a dor e a destruição ao Oriente Médio, tudo para manter sua dominação sobre a região. O ator mais novo nesta trama maquiavélica, é Israel, um estado inimigo da união dos povos desta região. Durante 40 anos, os Estados Unidos impuseram todos os tipos de sanções contra o Irã, tudo para procurar inviabilizar a revolução popular encabeçada pelo aiatolá Khomeini. Os Estados Unidos provocaram a guerra Irã/Iraque na década de 80, Saddan Hussein, presidente do Iraque, mordeu a isca, foi a guerra e mais tarde, acabou sendo enforcado, a mando de seus ex aliados estadunidenses. Toda nação ou dirigente que se alie aos Estados Unidos, nunca estará seguro, como disse Henry Kissinger ex secretário de estado , os Estados Unidos não possuem amigos, apenas interesses. O povo do Irã mostra uma coisa que falta a quem comanda os Estados Unidos, honra.

    1. Carlos! Os EUA, e sua dileta mãe, a Inglaterra, sempre viveram de espoliar as outras nações e povos, e levarem o sofrimento para estes povos. Olhe as guerras do opio, contra a CHINA com barcos de madeira, ser obrigada a aceitar os traficantes ingleses. Olhe o Oriente Próximo, feito um polo de miséria, onde antes era em polo de poder. .Mas, as coisas mudam e, os SENHORES de hoje serão os MISERÁVEIS de amanhã. Só os PROFETAS FILO AMERICANOS pregam que os tempos vão parar e eles vão ser eternamente os SENHORES!!

  5. VAMOS FALAR CLARO – o que Trump fez foi uma facada nas costas de Teerã, e ainda ofendeu barbaramente a vítima. Esse senhor é multibiolionário, tem tudo o que quer na vida, e conseguiu o cargo mais poderoso do mundo num golpe de sorte incrível… mas NUNCA vi Donald Trump dar um sorriso de alegria autêntica. Ele é como Bozo, ódio e rancor incuráveis, a existência da Humanidade só é tolerável porque em seus desejos imundos conseguiram instrumentaliza-la; só estamos vivos porque esses vermes nos usam para atender caprichos. Trump e Bozo são o pior tipo de gente a quem poderiamos empoderar. E são justamente o tipo de gente que mais busca o poder.

    1. Trump não se elegeu com um golpe de sorte. Veja o documentário: Como Trump Driblou a Democracia. O cérebro por traz disso tudo se chama Robert Mercer! Ficam falando de Steve Bannon. Bannon é apenas o jagunço.

  6. Após essa noite de 07/01/2020 com o ataque do Irã lançando foguetes a base americana no Iraque, vamos ter uma guerra. Sua proporção ainda não sabemos. Quem sabe que com essa jogada do Irã, os outros países árabes não se unam. Espero sinceramente que morram muitos soldados americanos. Os EUA são um câncer na face da Terra!!!!

  7. Os Estados Unidos se acham demais… Acompanho a muito tempo exercícios de guerra que sempre fazem,um ao qual ,a senta pua nossa,com nossos F5 modernizados,conseguiram o mesmo índice de vitórias que os americanos com seus F18.
    Já aconteceu de submarinos convencionais ,conseguirem penetrar o círculo de defesa dos porta aviões e ainda subir o periscópio ao lado deum deles, ou seja, muita tecnologia não significa necessariamente invencibilidade.

    Outra coisa também, somente a pouco tempo ,os Estados Unidos se retiraram de um acordo que proibia produção e desenvolvimento de mísseis de curto alcance, a Russia e mais um país que não lembro agora, há uma certa facilidade de atingir qualquer navio de guerra americana perto do golfo de Omã !

  8. O Irã já retaliou militarmente.
    Para mim foi um erro, a melhor resposta teria sido seguir o exemplo da Coréia do Norte.

    1. Por mim ele já teria ido prá lá no domingo passado e ficasse alojado na base americana no Iraque.

  9. É a primeira vez que os Estados Unidos deflagram uma guerra estando sozinhos. Desde as guerras por expansão territorial contra as nações indígenas, o México e a Espanha. Antes da invasão do Iraque em 2003, eles tiveram o cuidado de conseguir o apoio de quase toda a Europa. Mas nessa empreitada de agora contra o Irã, eles estão sós. Verdade que tentam dizer que o ataque de mísseis iranianos atingiu uma base iraquiana, e não uma base americana como foi anunciado. Nesta base iraquiana, eles estariam apenas como ilustres convidados. Também é verdade que querem dizer que o ataque iraniano não foi contra eles, mas sim contra uma tal de coalizão, que ninguém sabe de que se trata – Seriam eventuais soldados franceses que estavam na tal base? Ingleses? Ao que parece, não havia nenhum deles por lá. Seguindo a tradição do Império Romano, estadunidenses só atacam um país depois de fazer os vizinhos do tal país se indisporem com ele e partirem na frente para atacá-lo. Não foi o que aconteceu. Até o Netanyahu fez questão de dizer que Israel não matou general algum e que não tem nada a ver com este conflito. E esta história espalhada pelas agências ocidentais de que o Irã ameaça atacar os países do Golfo se houver retaliação estadunidense, parece mais uma fakenews para tentar fazer com que estes países entrem por eles nessa guerra, embora tardiamente, porque ela já começou.

  10. Se o Oriente médio nunca foi um local de paz, o pouco que se tinha acabou. Os americanos com esta burrada juntou todos os inimigos contra si.
    Um baita tiro no pé.

  11. Só não consigo entender porque Trump disse que o ataque foi um fracasso. 12 mísseis (ou mais) em 2 quartéis fariam um estrago considerável. Mas, como sempre, o Tio Sam esconde a verdade. Só falta agora levarem prováveis mortos para os EUA e pressionarem as famílias a nada falarem. Será que estou errado?

  12. O Irã viola Direitos Humanos? Sim. Merece crítica? Óbvio.
    Mas o Irã tá lá, longe, poucas relações c/ o Brasil.

    E os EUA?
    -Arquitetaram golpe de 1964
    -Querem no nosso petróleo
    -LavaJato boys não saem de lá
    -Paulo Guedes é cria da Escola de Chicago

    Então, coxinhas, parem de ser capacho!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *