Lira perde sua arma

Arthur Lira pode até conseguir uma vitória na votação de hoje, aprovando a PEC dos Precatórios, tanto pela intensa mobilização do governo quanto, sobretudo, por uma reação corporativa da Câmara dos Deputados à decisão do Supremo Tribunal Federal que manteve suspensa a execução da emendas do chamado “orçamento secreto” que dão a anônimos deputados e senadores quase R$ 17 bilhões para irrigar suas bases de apoio.

Mas está fechada, a partir de agora, ao menos temporariamente, uma das torneiras que irrigam a cooptação parlamentar num espetáculo vergonhoso de um governo rejeitado majoritariamente nas ruas, mas absolutamente poderoso no Legislativo.

Pode não ter sido o suficiente para que se empurre para futuros governos compromissos financeiros que pertencem a este, mas significará, que o processo eleitoral corra com menos interferência do fisiologismo político e, com isso, danoso aos candidatos do governismo que, sem pequenas obras caça-votos, acabarão por alinhar-se às candidaturas presidenciais que representem mudança.

Lira e o Centrão, portanto, terão menos facilidade em carregar o espantalho do “Bolsonaro Presidente”.

Mas, sobretudo, começa a perder a sua principal arma usada no “tratoraço” legislativo que estamos assistindo desde que ele assumiu a residência da Câmara.

Talvez tenha gasto, na votação da PEC, seus últimos cartuchos pesados.

Para a oposição, fica a advertência de que, apesar disso e da decisão do STF, o espírito de Eduardo Cunha segue dominando o parlamento e isso só não atrapalha Bolsonaro porque este não está nem um pouco em governar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *