Maia: “Bolsonaro está brincando de ser presidente”

O confronto entre o presidente da República e o presidente da Câmara está chegando ao limite do impensável.

Rodrigo Maia disse, agora há pouco, à Band, reagindo à fala de Bolsonaro a José Luiz Datena, de que “ele [Maia] está um pouco abalado com questões pessoais que vem acontecendo na vida dele, coisas pessoais que passa pelo estado emocional dele no momento”, referindo-se à prisão do ex-ministro Moreira Franco, que o ex-capitão está “brincando de presidir o Brasil”.

“Abalados estão os brasileiros, que estão esperando desde 1º de janeiro que o governo comece a funcionar. São 12 milhões de desempregados, 15 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha de pobreza, capacidade de investimento do Estado brasileiro diminuindo, 60 mil homicídios e o presidente brincando de presidir o Brasil. (…) Eu acho que está na hora de a gente parar com esse tipo de brincadeira, está na hora de ele sentar na cadeira dele, do parlamento sentar aqui, e a gente em conjunto resolver os problemas do Brasil. Não dá mais para a gente perder tempo com coisas secundárias”

O clima voltou a ser o de briga de porta de escola, embora Rodrigo Maia esteja repetindo o mantra de que apóia a reforma.

E os bolsonaristas, com o incentivo do presidente, seguem urrando contra Maia.

E a parcela lúcida do país, embora tenha todas as reservas a um parlamento conservador e cheio de abjeções trazidas pela maré bolsonarista, vai entendendo que caminhamos para um desastre, porque temos uma guerra institucional que vai acabar em ruptura.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. Bolsonaro tem índole de ditador, por isso não negocia com o congresso. Nao é a toa que nas ditaduras os congressos são fechados.

  2. Impressionante como um presidente medíocre consegue dar um protagonismo a um deputado que sempre foi apagado, mas que gosta e quer ter poder. O Bolsonaro é tão idiota, narcisista e soberbo que não consegue enxergar a mediocridade do Maia e também perceber que basta deixar de ser um burro xucro para conseguir por pra frente o projeto ultraliberal da elite e do mercado.

  3. Mas, se vier ruptura, a turma verde-oliva que colocou o bode na sala, vai retirar o bode e ainda ser exaltada.
    Eles já estão em suas posições. É uma questão de tempo.

  4. Creio que seja esta a intenção. Salvo me engano, foi no regime de Pinochet ( ditadura ), que se abriu a brecha para enfiarem a tal capitalização da previdência. Por favor, se tiver equivocado, corrijam-me!

  5. Apesar de não suportar Bolsonaro, eu fico muito preocupado com um eventual encurtamento do seu mandato.
    Depois do impeachment de Dilma, prisão de Lula, desmoralização de temer, o voto popular e a presidência já estão muito desacreditados.
    Gostamos ou não bozo foi eleito pela maioria. Ver ele sair logo cedo iria ser a pá de cal na crença do povo de que votar serve pra alguma coisa.
    Preocupação com fechamento do congresso eu não tenho. Apesar de tudo ser possível no Brasil, seria um esculacho institucional grande demais e bolso e os militares não tem força nem coesão pra isso. E o tempo é inimigo do Bolsonaro.Quanto mais o tempo passar sem melhora na vida das pessoas mais ele ficará desacreditado e impopular.
    Estou na torcida por um mandato Pato manco em que ele chega ao fim, Mas totalmente desmoralizado como temer.

  6. “porque temos uma guerra institucional que vai acabar em ruptura.”… E esse entendimento (da parte lúcida do País, BraSil) pode ou deveria fazer mais exatamente o quê ? Qual a contribuição individual de cada progressista nesse momento de anomia(?) ?… O que podemos fazer de bom que já não tenhamos tentado ? Respostas, respostas, respostas…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.