Militar virar chacota, mais uma obra de Bolsonaro.

Na sua coluna no UOL, o jornalista Tales Faria é preciso no julgamento: “o presidente Jair Bolsonaro não tem conseguido sucesso na gestão da economia ou da saúde da população, mas saiu-se vitorioso na desmoralização dos militares, especialmente do generalato do país”.

Nos três últimos dias as notícias são um prato cheio para a chacota com os dirigentes das Forças Armadas: compra de Viagra, de remédios para a calvície e até de próteses penianas.

Outros governos, que os generais tanto odeiam, compraram-lhes armamentos, caças modernos, submarinos.

As desculpas médicas são deploráveis, porque até os meio-fios caiados dos quartéis sabem que, ainda que eventualmente necessários como terapia, não são para todos os militares, de todas as patentes, mas para a alta oficialidade.

Sigo com Tales:

Bolsonaro conseguiu promover um verdadeiro estrago na imagem dos militares, que vinha se refazendo nesses anos de respeito à democracia pós-ditadura. O presidente começou a desmoralizá-los, primeiro distribuindo cargos aos milhares no governo. Mostrou que, em troca de um acréscimo no soldo, a turma poderia se comportar da mesma forma que aquele grupamento político que tanto criticavam.

Mas é pior, senhores. Trata-se da sua desmoralização perante a tropa, como se fossem aproveitadores daquilo que a ela é negado, mesmo quando necessário.

Os cochichos, as risadas – até sem a sensibilidade devida a quem tem problemas de saúde, o que é perverso – os apelidos jocosos, a esta altura, proliferam nas casernas, ferindo a liderança de quem, como profissional de defesa, deveria ter o respeito e o permanente acatamento de seus subordinados.

É inevitável e péssimo que ocorra, mas quem quis a ribalta que não lhe pertencia tem de aguentar as luzes que se lança sobre quem quer subir ao palco que não lhe pertence.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email