Mortes disparam no Rio. E sobem muito em todo o país

Com 224 mortes registradas na últimas 24 horas, o Estado do Rio de Janeiro voltou a apresentar números que não alcançava desde a pior fase da pandemia, em meados de maio passado.

224 vidas perdidas em um dia, o mesmo que cair um avião lotado aqui mesmo e sem sobreviventes.

Na capital, a taxa de ocupação da rede pública municipal supera os 95%, com 243 de 251 leitos de UTI acolhendo pacientes graves.

A situação do país, como tão cansativamente se repete aqui, está em franca deterioração. 756 mortes e mais 34 mil casos hoje.

Os 167 mil mortos da Covid-19 já são 13% de todas as mortes, por todas as razões, comparadas ao total de 2019.

Coração, cânceres, assassinatos, acidentes de trânsito, nada disso mata mais que o coronavírus.

Não temos mais governo, nem ministro, nem secretários de Saúde, salvo exceções.

A disciplina da sociedade para a prática do distanciamento social, a aceitação das restrições às atividades econômicas e a capacidade de prover a subsistência pela via do moribundo auxílio emergencial estão minguadas ao extremo.

Estamos na mão do acaso, da sorte ou azar de que a transmissibilidade do vírus nos ajude a que tudo seja, apenas por um acaso, menos terrível do que foi seis meses atrás.

Porque, afinal, não somos “maricas” e temos de morrer e ver morrer para…para quê, mesmo?

Ah, sim, para irmos ao shopping, à academia, ao luau do Arpoador…

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *