Mourão mostra militares mais fracos que em 2016

Na falta de um Jair Bolsonaro com brio suficiente para reagir às acusações que lhe fez ontem o ex-presidente Lula, que o fez foi o general Hamílton Mourão, personagem a quem, atualmente, nem o próprio Bolsonaro dá qualquer atenção.

Nãotem o menor efeito, até porque Mourão não pode dizer nada além do que disse:”se o povo quiser Lula, paciência. Masacho muito difícil”.

Mourão não tem mais autoridade nem como vice-presidente “decorativo” nem como chefe militar.

Os que a teriam -o general Heleno e e o General Braga Netto – estão mudos e escondidos. Os generais da ativa, preocupados em conter odesgastedainstituiçãocom a manutenção do “general Eduardo Pesadelo”, apelido sensacional dado a Pazuello, o caos da saúde, que teve hoje de admitir mais uma redução no número de vacinas a ser disponibilizado em março:dos 40 milhões originais, já estamos entre 22 e 25 milhões, e ainda é dia 11 do mês.

A longa entrevista, de Mourão, na Folha, é, tal como ele, uma inutilidade.

Ele não tem 1% mais da importância que tinha quando, indisciplinado, confrontou o Governo Dilmae, em lugarde ser punido,foiacoitado em umcargo menor por Villas Boas.

Mourão, na sua desimportância, só diz uma coisa que vale a pena ser tomada em consideração: a de que sairá da política e irá para casa, cuidar de sua vida.

Tomara que melhor que cuidou do país.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.