Na terra, mar e ar, vender o Brasil, e rápido, antes que acabe!

kc390

Ontem à noite, o lixo majoritário na Câmara dos Deputados aprovou a venda de jazidas da Petrobras – nas áreas concedidas conhecidas como de “cessão onerosa”, por terem sido usadas na capitalização da estatal, em 2010 – no valor de cerca de R$ 100 bilhões, segundo estimativas dos jornais. Áreas “prontinhas”, sem risco, mapeadas sismicamente e com diversos poços exploratórios feitos com ciência, trabalho e dinheiro brasileiros, a garantir a quantidade e a qualidade do petróleo a ser extraído

Hoje de manhã, anunciou-se o que será a “nova” Embraer: 80% para a Boeing e um “tasquinho” de 20% para Embraer, além de uma sede no Brasil, para dar emprego a executivos e gerentes, enquanto a produção vai sendo espalhada pelo mundo, por onde melhor convier o preço e a capacidade da mão de obra. A “parceria” do elefante com a formiguinha, claro, vai se dar sobre os produtos concebidos e desenvolvidos aqui, como a bem sucedida linha de jatos médios E2,  a aviação executiva e o imenso potencial de mercado do transporte militar KC-390.

O Governo Michel Temer e as ratazanas políticas que ele reúne têm pressa. E, convenhamos, em matéria de lesa-pátria estão se saindo como um “Governo FHC concentrado”, com um grau de traição nacional extremamente elevado, nestes dois anos e pouco de golpe.

Que, afinal, fizeram para isso.

São negócios imensos, certamente com comissões a granel, enquanto nós discutimos a diferença de preço do apartamento do Lula. Ou melhor, “atribuído” a Lula, que jamais passou um dia lá, para gozar do banheirão identificado como piscina e da churrasqueira “gourmet” cuja triste imagem todos vimos.

Não há quem grite contra isso e, ainda mais vergonhoso, não há quem o faça nas Forças Armadas, empenhadíssimas em subir as favelas cariocas e em fazer de uma caricatura que bate continência à bandeira norte-americana o presidente da República.

Não importa que estejamos dizendo adeus não só a riquezas, mas também ao nosso potencial de desenvolvimento tecnológica.

Afinal, para quem quer ser brucutu, tacape basta.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email