Não é divisão, é diferença

“Nem Lula, nem Bolsonaro”.

As faixas, cartazes, bonecos e gritos de manifestantes da dos atos meia-boca de hoje são, para quem quiser ver, onde está a mira dos grupos de direita que foram a lenha que alimentou o caldeirão de onde nos veio a monstruosidade que nos governa.

Só mesmo a recaída da antiga musa da “massa cheirosa”, Eliane Catanhede para, diante disso, ainda acusar PT e PSOL de “dividirem” a oposição Aguarda-se dela, mais tarde, o comentário sobre a dancinha tipo ilariê do governador de São Paulo como símbolo da seriedade de nossas preocupações com Bolsonaro.

Mas, aos fatos.

Exceto por vaias de um pequeno grupo de integrantes do PCO, nas várias manifestações antibolsonaro, algum cartaz contra Ciro Gomes, ou debochando do MBL, ou criticando Mandetta, ou com qualquer agressão aos “arrependidos” que delas participaram ou desejaram participar?

Buscaram comparações com as diretas-já, mas alguém pode imaginar a Candelária com um boneco de Tancredo como presidiário ou um “Nem Ulysses, nem Figueiredo”? Até o Quércia, flor difícil de cheirar, era tratado com urbanidade por todos.

Nas diretas, a eleição direta e livre do presidente estava em primeiro lugar, divergências e embates, depois. Não é o que se viu e ceder a estas agressões explícitas e gratuitas seria indigno de quem precisa presidir o Brasil.

A parcela mais politizada do povo brasileiro percebe isso e explica, em grande parte, a baixa adesão aos atos.

Apesar disso, esta baixa adesão vai refrear este tipo de atitude, exceto nos suicidas políticos.

E não por generosidade ou lucidez, mas porque Bolsonaro permanece, apesar dos muxoxos de alguns de seus seguidores, no controle da direita.

Os votos arrependidos não os levarão a lugar algum.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email