Não é Janot que está louco, é o Brasil

Ora, vamos, o surto nárciso-canalho-psicótico de que foi acometido o senhor Rodrigo Janot não é um episódio isolado na vida brasileira.

É apenas uma erupção explícita do grave processo de infecção autoritária que, há anos, passou a acometer nossa sociedade, desde que as corporações judiciárias entraram em metástase, potencializada pela mídia, e passaram a pretender ser o poder supremo entre nós.

Valeram-se, para isso, do mais primário maniqueísmo, erigindo na Justiça lugar do “homens do bem” e, na política, os “do mal”.

O próprio Janot, no momento em que se associou à fúria dos imberbes de Curitiba, apanhou carona na condição de “herói” , com o patético cartar em que se exibia como “Esperança do Brasil”

Ser – neste caso sentir-se e ser visto como – “do bem” dava a eles direitos extraordinários, poder absoluto sobre as pessoas.

Aos “pecadores” da política era só esperar a chegada de seus arcanjos da Polícia Federal, bem cedinho, com seu Japonês ou Lenhador, trazendo a implacável ordem do Zeus de Curitiba e, depois, de suas sucursais: Marcelo Bretas, Valisney de Oliveira…

A política trocou programas, ideias, compromissos e passou a ser feita com prontuários e promessas de armas, balas e tiros.

O direito, à base de conveniências que o adequem aos imperativos morais como o de “não prejudicar a Lava Jato”.

Veja-se agora o caso em que quer-se “modular” um princípio constitucional, o da ampla defesa, condicionando-o a que o acusado o tenha reivindicado “tempestivamente”, o que é um rematado absurdo em se tratando de direito indisponível.

Estaremos condenados a um mundo onde a realidade deva conformar-se aos ditames morais, aos dogmas de um fundamentalismo judicial, onde o crime – como o que esteve à beira de ser praticado por Rodrigo Janot se justifica pela vítima?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

32 respostas

  1. Mais uma contribuição de nossos doutos operadores de justiça ao direito internacional: o princípio quem não chora não mama. Até quando esse 7×1, meu Deus?

    1. Até quando tivermos a suficiente vergonha na cara para acabar com isso,só depende de nós ( esse é o problema)

  2. Toffoli , Toffoli , Toffoli . Em lugar daquele gesto com as duas mãos . O supremo aprovará a gradação , o “general” mora ao lado . Explicações ?. Tudo em nome da governabilidade , Toffoli já usou isso no Habeas Corpus de Lula .

  3. Janot tem excesso de vaidade e melindre. Juntando os dois e bater no liquidificador dá o que? Para minoria dos que usam a bandeira do Brasil na costa dá tiro, ter arma, puxar a arma é uma beleza.

  4. Modulação que ninguém que a prega gostaria que fosse usada contra si. O argumento dessas pessoas é por pura conveniência para uns e pura covardia dos supremos.

  5. Senhor Fernando.Vamos reduzir muitos arrazoados ao respeito de tudo que acontece,no que chamam,de INSTITUCIONALIDADE.reduzamos ao conceito,inda que PRIMÁRIO;o BRASIL SE CONSTOTUE,num PAIS DE “SEM VERGONHAS NAS CARAS”.Claro,que com raras exceções.Mas é um país,SEM VERGONHA.O resto, é prosódia.

  6. Há anos, meu caro Fernando? Eu diria há séculos. Tá ai a literatura de Machado de Assis, de Lima Barreto que não nos deixa confundir. Em nossa história, breves foram os breves espasmos democráticos, em um corpo sempre tomado por essa infecção autoritária, permanente, incurável.

      1. concordo com a idéia do crime de lesa Pátria praticado pelos membros da “operação” LJ por mais difícil que seja realmente aplicá-lo.
        só acho que os EUA precisou mover quase nenhum músculo para que esses idiotas úteis e arrivistas jecas fizessem a m… que fizeram.
        Não concordo com Ciro em quase nada, melhor, não consigo levar a sério Ciro Gomes. rs

  7. Extraordinária avaliação! Acrescento que essa deplorável gente do mal não precisará’ de forças adversas para tombar na lama de seus malfeitos, como já está ocorrendo com alguns notáveis gênios do mal do MPF.
    Tropecarao na própria iniquidade, trucidar-se-ao uns aos outros, em breve. Assim espero. Amem.

  8. Essa postura autoritária ,superior, dos auto-denominados “homens de bem” sempre partiu dos mesmos,a elite escravocrata saudosa dos tempos da senzala ,permanentemente na procura da sua manutenção.
    Foram sempre os “inferiores” os que tiveram comportamentos civilizados,elevados, na búsqueda do bem comúm (incluso o deles).
    Todas as estruturas do Estado,bancado com o esforço dos “inferiores” sempre tiveram a interesse na perpetuação desse modelo,exemplos?
    o judiciário,a milicada.
    Os delinquentes como janot,moro,dallagnol,etc são as camisinhas que a elite usa para continuar com o jogo favorável a eles,amanhã serão outros.

    1. A postura arrogante e autoritária vem de uma dualidade perversa: Da herança cultural escravocrata e do fato de terem, por alguma tempo julgado a si mesmos como legítimos e intrépidos filhos do Tio Sam.

  9. Além do autoritarismo, o ex-PGR esperou o momento da aposentadoria da Srª Dodge para chamar a atenção novamente, para exercer seu poder tresloucado novamente!!! E o fez mostrando que também sabe desconstruir, digo, destruir tudo que está ai… e parece que não tem arrependimento do que fez. E vai continuar sua obra destrutiva, pois tem muita coisa que ainda não revelou, mas vai revelar para mostrar que sabe destruir!!!

  10. Mais um santo do pau oco que só coxinha burro acredita: depois do Santo, do Careca, do Mineirim que mata, do Cunha, do HULK, do Capitão américa, do Bosta, do CONJE, agora tem o Sr MIJOT … O assassino de reputações e protetor da quadrilha (FUX chorão que o diga, DD e CONJE idem)…

  11. “No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte”.
    Ninguém melhor do que Nelson Rodrigues para definir de forma insuperável, o conteúdo da nossa classe dominante na economia e seus representantes políticos no Parlamento.
    Mas não apenas da classe dominante, endinheirada.
    Nelson também percebe aqueles emergentes das classes subalternas que, chegando-se ao poder, logo deixam-se seduzir gostosamente pelo luxo da burguesia nativa e seus penduricalhos ostentatórios.
    O núcleo duro do Lulo-Petismo encaixa-se perfeitamente na definição de Nelson Rodrigues. A conciliação com as elites marcou o PT e Lula com o ferro em brasa com que a Casa Grande tatuava a face dos seus escravos.
    Não há inocentes nessa história, muito menos amadores e principiantes.
    O lulo-petismo ainda tem pela frente a fieira das alcaguetagens premiadas do “Italiano” e, mais recentemente, de “Duque”, o homem do PT na Petrobrás, recrutado por Silvinho ‘Land Roover’ Pereira, o primeiro filiado petista a confessar as “vantagens indevidas” recolhidas junto aos fornecedores da Petrobrás.

  12. Só o fato de terem tido o ímpeto de armar o que armaram, já indica que todos eles estão loucos. Ficaram deslumbrados com o charme hollywoodiano do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, e fariam qualquer coisa que aqueles seres superiores lhes pedissem para fazer. A terra natal e seu destino já não lhes importavam em nada. É preciso urgentemente juntar duros testes de ciências humanas e conhecimentos geográficos e históricos específicos do país, nos concursos públicos para cargos de estado, que habilitam gente que terá muito poder sem ter sido eleita para tê-lo..

  13. “Naturalizar a desigualdade, evadir-se do passado, é característica de governos autoritários que, não raro, lançam mão de narrativas edulcoradas como forma de proteção do Estado e de manutenção do poder. Mas é também fórmula aplicada, com relativo sucesso, entre nós, brasileiros. Além da metáfora falaciosa das três raças, estamos acostumados a desfazer da imensa desigualdade existente no país e a transformar, sem muita dificuldade, um cotidiano condicionado por grandes poderes centralizados nas figuras dos senhores de terra em provas derradeiras de um passado aristocrático.”
    (“Sobre o Autoritarismo Brasileiro”, Lilia Moritz Schwartz, Companhia das Letras, 2019)

    O buraco é muito mais fundo que o construto lavajatista. Nossas frequentes ditaduras têm origem e pedigree documentados.

  14. Pois é. Uma situação vexatória que mostra, sem dúvida alguma, que “tipos” se apoderaram das instituições no Brasil: Arrogantes, pretensiosos, violentos, imbecis,despreparados, misóginos, descerebrados,entreguistas,canalhas, inescrupulosos,impiedosos,cretinos,racistas,soberbos, idiotas, energúmenos, traidores,covardes…….. Pobre população brasileira, nesta selva perigosa.

  15. Só o fato de terem tido o ímpeto de armar o que armaram, já indica que todos eles estão loucos. Ficaram deslumbrados com o charme hollywoodiano do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, e fariam qualquer coisa que aqueles “seres superiores” lhes pedissem para fazer. A terra natal e seu futuro já não lhes importavam em nada. É preciso urgentemente juntar duros testes de ciências humanas e conhecimentos geográficos e históricos específicos do país, nos concursos públicos para cargos de estado, que habilitam gente que terá muito poder sem ter sido eleita para tê-lo..

  16. Falar que ia matar ou pensou em matar o Gilmar não é crime. Crime foi o golpe de Estado que derrubou a Dilma e condenou o Lula e prendeu- o sem nenhuma prova cabal . Mas, eles vão pagar , há se vão !

  17. STF de onze golpistas e PGR golpistas salafrários sem caráter e moralistas sem nenhuma moral. Este poder judiciário precisa é de prisão perpétua . Ai que inveja da Turquia do Erdorgan !

  18. O Brasil se resume com uma metafora na cidade do Rio: Vc se dirige a uma lanchonete seja em impanema, barra ou Leblon na porta de entrada, dois idosos fazendo jogo do bicho, dentro 4 maquinas caça níqueis, embaixo do balcão bucha de maconha e pino de cocaína, vc se dirige ao atendente e pede um refrigerante, ele te serve, vc diz: me dá um canudinho de plástico, ele franze a testa e de cara fechada retruca: É PROIBIDO!
    Esse é o BrasilBrasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *