O Brasil perdeu a paciência com Bolsonaro. Vem mais aí

A esta altura, é possível dizer que as pesquisas de aprovação de governo, intenção de voto e abertura de impeachment – esta publicada agora há pouco pelo Datafolha – já estão desatualizadas.

Jair Bolsonaro jogou gasolina – e parece que jogará ainda mais – na fogueira do descontentamento da população ao dar um passo que o coloca abertamente na posição em que há tempos se sabia que ele estava: a do golpismo, ao ameaçar, de forma expressa, a suspensão das eleições do próximo ano.

Dentro de alguns dias sairão pesquisas sobre a ameaça presidencial e ninguém tem dúvida de que a reprovação passará dos 80%, deixando apenas o núcleo do bolsonarismo a favor desta decretação de ditadura que ele propõe.

Nem mesmo entre o empresariado – único setor onde Bolsonaro ainda conta com apoio majoritário – não haverá quem seja capaz de verbalizar apoio a este arreganho autoritário, exceto (e talvez) as figuras deprimentes de aventureiros e sonegadores que macaqueiam ao seu lado.

E, ao inverso, tornar mais aguda a posição dos que não o apoiam, mas não o hostilizam abertamente.

Aliás, só agora começa-se a romper o medo de manifestar-se publicamente contra Bolsonaro, porque contra isso conta o fato de que se corre o risco de agressão física das falanges que acompanham o “mito”.

É portanto, que Bolsonaro tenha conseguido perder mais alguns pontos dos poucos que já tem em matéria de aprovação e em intenção de votos. E reduzir também o número dos que defendem a continuidade de seu governo até que cheguem as eleições.

Que, com Bolsonaro no poder, já ninguém pode ter certeza que cheguem.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *