O brilho minguante de Ônyx

Mesmo com o “desconto” da habitual grosseria do presidente eleito, a sua declaração sobre qual é a reação do novo governo às investigações sobre os recursos de “caixa-dois” que teriam sido recebidos pelo seu “ex-super” ministro da Casa Civil, Ônyx Lorenzoni foi um verdadeiro coice no parlamentar gaúcho, seu aliado de primeira hora:

“Olha só, havendo qualquer comprovação obviamente ou uma denúncia robusta contra quem quer que seja do meu governo que esteja ao alcance da minha caneta Bic, ela será usada”.

O problema é que, além da grosseria, os fatos também estão a atingir Ônyx.

Primeiro, fatiaram-lhe o superministério colocando o general Carlos Alberto dos Santos Cruz como ministro chefe da Secretaria de Governo, que seria absorvida pela Casa Civil e, pior, que parte da articulação política ficará com ele.

O incalável General Mourão também chalou um pouco dela para si, embora poucos creiam que ele vá atrair algum interlocutor à luz do dia.

Paulo Guedes não esconde sua irritação com a tática de minimizar a reforma da previdência previamente, em lugar de pedir muito mais e, se necessário, ceder algo.

As articulações de Rodrigo Maia para presidir a Câmara – algo nada ao gosto de Bolsonaro – vão bem, obrigado e mais de uma dúzia de partidos, diz a Folha, pretendem formar um “neocentrão” para colocar o “dá cá” na frente do “toma lá”, com mais de 300 deputados.

Por tudo isso, avolumam-se os sinais de que Lorenzoni, na expressão de Teresa Cruvinel, no JB, já tenha caído num processo de “fritura precoce”.

Solidariedade – ou piedade – até agora só achou de Sérgio Moro, avalista de seu arrependimento e perdão pelo dinheiro recebido por fora, por serviços prestados à comunidade lavajatense.

Arrisca-se a ser o Magno Malta, parte 2.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Antes de ser inaugurado o trampolim que se disfarçará de governo já é um cabide guerra no qual as mãos de cada farsante libertará a outra para salvar a própria

  2. Por enquanto só os “prazeres orgásticos” do pós eleição. Se nesse momento nós assistimos a cobra engolindo cobra……imagine o que será o governo desse circo que se transformou o país. A lua de mel vai durar pouco com a população burra, analfabeta e reacionária que elegeu esse carente de cérebro.

  3. Lorenzoni é pato manco, ou pato frito nos próximos dias. Parece ser isso que está por vir, e não por ele ter se declarado um lalau de apenas 100.00 reais, porque esse dinheirinho é nada o conjunto da obra. Ou seja, depois do primeiro 100 apareceram mais um e, certamente, outros estão para aparecer, e, assim, deixar Moro numa saia mais justinha, que eu espero. Onix tem tudo pra morrer na praia porque, se como um mero senador já parecia querer ser o mais grandioso entre seus pares, agora, indicado para cargo distinto, sua vaidade aumentou tanto que é vista em cada aparição dele. Sempre de cabela levantada, todo empertigado, “se achando”. Já mandaram-no calar a boca, e parece que assim será até ninguém aguentar mais sua vaidade.

    1. O governo do eleito, pelo visto, será limitado a espalhar fake news e fazer bravatas para a mídia tupiniquim. Quem manda de fato está a anos luz dessa palhaçada local. Qto aos milicos brasileiros, não se sabe ainda se estão só dando corda para o baixo oficialato e certos generais de importância relativa se enforcarem junto com o Bozo ou se tem planos mais grandiosos lá no alto comando…a ver.

  4. Onyx e Malta são da mesma linhagem , lati muito , eu me lembro muito dos dois nas famosas CPI ! Deveria passar o replay para o povo brasileiro assistir novamente as molecagens deles diante das câmeras do congresso ! Sempre foi de baixo nível !

    1. Não chegou e não chegá-lo-á (pra lembrar Jânio & temer). Na mínima hipótese de
      chegar, dirão; é mentira ou não importa.Depois de consolidado dirão; é requentado.
      Quando um bípede como oniques sepulta a vergonha de ser ridículo, já é o caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *