O “imbrochável” Belo Antônio

Depois de agradecer a Deus pela vida e pela missão de presidir o país, numa cena inacreditável, Jair Bolsonaro puxou o coro de “imbrochável, imbrochável”.

O fato de ter saído do palanque oficial para um palco lateral não significa que lá tenha sido deixada a condição de presidente da República.

Nem dá para falar do ufanismo insano, de dizer que somos “um paraíso”, “melhor país do mundo”, a “gasolina mais barata do planeta” e “inflação despencando” e outras afirmações que só seriam possíveis se ele tivesse desembarcado de Marte na semana passada. Nem para falar de que vivemos, antes, algo próximo de perda de liberdades, ataque à propriedade privada e a um “comunismo”.

O que ficará do discurso presidencial é, outra vez, o machismo mais canalha, tanto para quase se afirmar priápico, quanto para a grosseira “comparação” de primeiras damas e para recomendar que os homens procurassem “princesas”.

Talvez alguns tenham achado estranho que ontem, eu tenha afirmado que isso não é um deslize, é uma opção eleitoral. Aí está a prova.

É um discurso para seus “fiéis”, não para parcelas mais amplas da sociedade e seu efeito será o de agudizar, ainda um pouco mais, a impressionante rejeição do candidato no eleitorado feminino.

O “imbrochável” presidente, porém, não foi capaz de falar de conquistas de seu governo para esta sociedade.

Talvez porque, neste aspecto, como governante, foi um “Belo Antônio”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *