O incrível ‘jornalismo’ brasileiro nem liga para R$ 30 bi

Imagine se Lula, presidente , fosse a um evento de sindicalistas e anunciasse que estava disposto a dar , de uma só vez, um prejuízo de R$ 30 bilhões à Petrobras, para instalar uma CPI sobre os leilões de concessão de exploração de petróleo no Brasil.

Deixo ao leitor e à leitora da fácil tarefa de imaginar a tempestade de críticas e acusações que desabaria na mídia.

Agora veja como Bolsonaro fez exatamente isso, num encontro de evangélicos, anunciando que a maior empresa pública do país, que perdeu quase R$ 30 bilhões em valor acionário, iria perder mais 30 bi com a CPI que ele quer instalar contra os dirigentes que ele próprio nomeou para comandar a petroleira, e isso há apenas três meses.

Pois acredite o leitor que, na primeira página da edição deste domingo dos maiores jornais do país – Folha, O Globo e Estadão – não há (perdoe as necessárias maiúsculas) literalmente NADA sobre o assunto.

Será que foi o feriadão? O frio? Será que não dava para escrever 30 linhas sobre isso? O tal Adriano Pires, que era arroz de festa para criticar uma política de contenção de preços nos governos do PT terá viajado e desligado o celular? É comum um presidente da República pedir uma CPI sobre um empresa que ele próprio comanda há 3 anos e meio e diretores que ele próprio indicou, há meros 90 dias?

R$ 30 bi, ou melhor, R$ 60 bi são “uma merreca”, mesmo sendo mais do que se gasta com o “Auxílio Brasil”?

E os fundos de pensão norte-americanos que ele acusa de estarem enriquecendo (e estão) com uma política de preços nefasta, não têm nada a dizer? Não são os jornais brasileiros que dizem que a tal “paridade de preços internacionais” é a única forma correta de gerir a maior e mais importante empresa brasileira?

Perco meu tempo e o de quem lê com estas perguntas. A mídia empresarial brasileira e, por extensão, os interesses empresariais que ela defende estão muito ocupados em achar problemas em Lula e dissertar, com o alto saber jurídico que a fez idolatrar Sergio Moro, que o ex-presidente” é inocente, mas não foi inocentado”, curiosíssima construção que abole o velhíssimo princípio da presunção de inocência que aquela turma da Revolução Francesa, no século 18, “criou para proteger bandido”, não é?

Calam, porque chegam a salivar de ansiedade em ver a grande empresa brasileira, aquela que poderia nos defender neste momento de inflação e de recessão, ser arruinada, depois de ter enchido as burras do capital, para ser vendida na bacia das almas.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *