O ‘mimimi’ fascista da falsa ‘moderação’

Uma pessoa de bem não pode calar ou relativizar um assassinato frio e brutal, onde a cor da pele foi determinante na atitude dos assassinos a soldo de uma multinacional.

Ponto final.

Mas estamos cheios disso.

Um presidente que acusa que é vítima de “semear a discórdia” e vai dizer no G-20 que a luta por igualdade racial é “máscara” de “luta pelo poder”.

Um vice-presidente que diz que “racismo não existe aqui, é importado”, tese que “a chefia” hoje endossou.

34 juízes, em Pernambuco – a terra do negro Henrique Dias, herói de Guararapes – que se desligam de uma associação por não aceitarem a “infiltração ideológica” de discutir racismo com magistrados.

Não, não é que sejam “apenas” racistas e fascistas. São, por isso e por mais que isso, covardes.

Se estas questões não puderem ser tratadas por meio da política, do debate e da formação de uma consciência pública de que são inadmissíveis, serão tratadas como, no porrete? Na bala? Ou melhor, no chicote?

O fato de sermos um país miscigenado não nos isenta da chaga racista, porque esta mistura tem fases e as que ficam acima desta mistura são (ou se acham) brancas e as mais baixas, negras, mulatas, caboclos e indígenas.

Negam, negam, negam sempre a realidade, negam o que fazem e o que pretendem fazer, porque o que desejam é feio e nojento demais para que seja dito de forma clara, alto e bom som.

Se pudessem dizer, já teriam acabado com a Lei de Cotas, com a Lei Caó, com a Lei Afonso Arinos e até a Lei Áurea.

Mas, sem querer, fazem um bem à população.

Exemplificam, na prática, como a porção mais burra da elite brasileira – e nada pequena é, como se vê – é escravocrata, é racista, é desumana e é bruta.

No fundo, a morte de um negro, espancado indefeso como num tronco escravocrata não lhes causa nojo, causa-lhes prazer.

Mas a dos demais pobres, todos pretos de tão pobres, também não e é por isso que, por estas bandas, faz tempo que vidas pobres não importam.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *