O PIB que cresce agora é o “Pobreza Interna Bruta”

Os números da Comissão Econômica para a América Latina, um órgão da ONU, são avassaladores.

O número de miseráveis nos países latino-americanos subiu e coube ao Brasil a posição de “locomotiva” desta marcha-a-ré.

Diz o El País que “o aumento da pobreza extrema da América Latina se explica, em boa medida, pela má evolução do Brasil, disparadamente o país mais populoso da região, que entre 2015 e 2017 viu a pobreza extrema saltar de 4% para 5,5% da sua população”.

1,5% de uma população de pouco mais de 200 milhões de pessoas são mais de três milhões de seres humanos. Oito milhões de miseráveis passaram a ser 11 milhões.

Gente que vive com menos de 1 dólar por dia.

Considerado o conceito de pobreza – US$ 2 dólares por dia – são 40 milhões, 19,9% da população.

Até agora, o que se expôs para vencer este problema foi o de o projeto da bala.

Logo adiante, ao que parece, trata-se de passar os direitos previdenciários pelo liquidificador.

Somos um caso sui-generis de país que diz apostar em desenvolvimento econômico com empobrecimento da população.

Só se PIB agora significar “Pobreza Interna Bruta”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email