O que está em colapso é a farsa oficial

Mesmo neste Brasil dos absurdos, de morte e de dor, a tragédia que estamos assistindo em Manaus, deixa o país chocado.

É por ver que, depois de 10 meses de pandemia, ainda temos governantes nem terem mais o cinismo de dizerem-se preocupados com a maré de morte e doença que avança sobre as pessoas.

Tudo é ridículo e de uma improvisação chocante, incompatível com quem se pretende coordenador do que a toda hora dizem ser “o maior plano de imunização do planeta”.

O avião que vai buscar os dois milhões de doses indianas da vacina, indispensáveis para que não se inicie a vacinação com a “vachina” teve de parar em Recife porque, simplesmente, a Índia resolveu dizer ao Brasil o que Pazuello disse ao Brasil: “para que essa pressa, para que esta angústia”.

O avião ainda está aqui e Pazuello, a cinco dias do que seria o lançamento de uma campanha de vacinação continental, segue garantindo que ela começa na quarta-feira.

Nessa importação improvisada, o papel da Fiocruz reduziu-se, tristemente, ao de “laranja” de um governo inepto, porque vai, apenas, colar à pressas um adesivo com seu rótulo, sem efetuar nenhum controle de conformidade do que chegar por aqui – se e quando chegar.

Nenhuma notícia sobre a chegada dos insumos que permitirão a ela fazer o que de fato interessa: produzir as doses em dezenas de milhões necessárias para que o Brasil se vacine.

Tudo se resume agora em espetáculo e em espetáculo mórbido, sem que a imprensa e a inteligência brasileiras sejam capazes de dizer que temos genocidas no comando do país.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *