O vírus da censura é o da doença da mentira

Renato Souza, do Correio Braziliense, confirma o que já era voz corrente: o atraso para após as 22 horas do anúncio oficial do Ministério da Saúde sobre o número de casos de Covid-19 e das mortes por ele causadas foi ordem expressa de Jair Bolsonaro, já dada há tempos e só atendida agora, depois de implantada a gestão militar do órgão:

A estratégia da Presidência é evitar que os dados estejam disponíveis no horário dos telejornais noturnos, período em que as televisões têm maior audiência, pois muitos dos brasileiros estão em casa. Mesmo sem anúncio oficial, a ordem foi dada para que os dados sejam enviados à imprensa apenas no final da noite, mesmo que estejam prontos às 19 horas.
A intenção de atrasar a divulgação dos dados existe desde a gestão do ex-ministro Luís Henrique Mandetta. No entanto, à época, o titular da pasta se recusou a acatar a ordem alegando que geraria forte impacto na resposta a pandemia.

Trata-se, é óbvio, de uma tentativa de aplicar à informação a regra do do “morrer é o destino de todos” fazendo a população não se dar conta de que temos, hoje, seis tragédias de Brumadinho a cada 24 horas e, pelo número de casos, as que virão dentro de poucos dias.

Como disse ontem, se a realidade é ruim, demita-se a realidade.

É claro que isso não produz nenhum resultado, senão o de piorar a situação com a perda de uma atitude prudente por parte da população, cujos índices de isolamento, ontem, chegaram ao menos nível desde o início deste pesadelo e, com isso, agravar a população.

Ao ponto de fazer o “padrinho” Donald Trump citar hoje o Brasil (e a Suécia, que Bolsonaro cita como exemplo de sucesso) como referências de quantas mortes as políticas de semi-isolamento feitas nos EUA – e ausentes aqui – evitaram mais de um milhão de mortes.

Quando Trump, que coleta os resultados de um morticínio sem tamanho no seu país critica o desempenho de um governo é sinal que, para além do que ele produziu, o desastre por aqui pode ser muito maior do que aqueles que pensamos nos cenários de maior horror.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Bolsonaro manda atrasar boletim de casos de covid para não sair nos noticiários do dia… Só falta mandar o relógio parar de fazer “Tic,Tac… Tic,Tac…”

  2. Os militares de hoje tentam repetir aquilo que seus “mestres fizeram nos tempos da meningite, entre 1971 até 1975, em que coincidentemente (?!) o país era “tocado” pela Ditadura Militar com o general Médici (O Saguinário) na presidência. Quatro anos de mortes pela epidemia calados pela Censura Oficial e pela repressão.
    A BBC Brasil fez uma reportagem a respeito daquele período, aqui:https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52058352

  3. continuando…é que essa gente,quer que morram aos milhares.O problema deles,é que vão morrer,OS ELEITORES DESSES LIXOS.

  4. O chefe Trump f..deu o afilhado brazuca,o viralata Messias Bundasuja, chamando-se de burro e estúpido , assim como a Suécia, como exemplo de países que fizeram tudo errado na Pandemia.
    A diferença é que a Suécia já corrigiu o rumo, mas o Bundasuja está adernando cada vez mais, e vai ser o campeão , o quadrúpede mais estúpido do planeta, aliás já é há um bom tempo e não há ninguém no mundo que não saiba disso.
    Quando à proibição de divulgar os números no dia ,só confirma mais uma vez que o Bundasuja é uma mistura de anta com jumento e toupeira pelada, pois todos os telejornais vão continuar a divulgar “os números do dia”, só que agora como manchete inicial, não importando se é de ontem ou de hoje.
    Feto com má formação cerebral,que consegue nascer e ficar velho, geralmente é um Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *