Janio: a crise abasteceu Bolsonaro

arogas1

Como se observou aqui, já há três dias, o grande beneficiário da crise provocada com a paralisação do abastecimento de combustível foi Jair Bolsonaro, porque é inveitável que, à falta de autoridade de um governo ilegítimo, cresça o clamor por soluções autoritárias, por mais que se saiba que as práticas autoritárias não apenas retardadoras daquilo a que a realidade econômica traz ao país.

Estamos sendo acostumados, a poder de desgoverno, a achar que a força é o caminho de resolução dos problemas e, é claro, quando a força é o argumento da razão, perdem a razão os que não a tem: os fracos, os pobres, os excluídos.

Janio de Freitas, hoje, na Folha, aprofunda esta análise.

A situação provocada pelos caminhoneiros
se ajusta ao que Bolsonaro diz e representa

Janio de Freitas, na Folha

Reuniões de militares fora dos quartéis, para “discutir a situação”, só poderiam ser vistas como prática de civismo se o passado brasileiro, a partir do golpe da República, não as intrigasse com o espírito da democracia. 

A gravidade da situação não esperou, para pretextar reuniões, o tumulto provocado por empresários e autônomos de carga rodoviária. Pode mesmo haver quem ligue uma coisa à outra, ao menos como conhecimento prévio.

Há poucos dias, Michel Temer pediu ao comandante do Exército uma conversa privada. O general Villas Bôas deu ao ministro da Defesa conhecimento do convite, é provável que depois relatasse a conversa, mas nada extravasou a respeito (ainda). O que confirma um lado nebuloso na realidade que logo ferveria, na segunda-feira 14, com a eclosão das reações ao terceiro aumento do diesel em uma semana.
Os efeitos rápidos e brutos da retenção de cargas e de combustível configuraram o aspecto socioeconômico e, em escala bem menor, a parte óbvia dos reflexos políticos da greve. Nestes reflexos há, no entanto, um aparente subproduto que pode ser ou tornar-se o principal, e não o sub. 

É a implicação eleitoral da ação grevista. Henrique Meirelles é prejudicado, Alckmin perde algo por sua complacência com Temer e com o governo. Os demais ganham alguma coisa, exceto um, que ganha muito.

Na gravidade e nos modos, a situação provocada pelos caminhoneiros empresariais e autônomos se ajusta, com precisão, ao que Jair Bolsonaro diz e representa para o eleitorado. O governo fraco e frouxo, a falta de ordem e de quem a ponha sob controle, o Congresso dos negocistas, o alto Judiciário confuso e confundindo, e a população indignada, a esperar das “autoridades” a solução que não vem. O candidato e os caminhoneiros sabem o que fazer.

“Sabe que todo caminhoneiro vota no Bolsonaro, né?”. É a informação do chefe de um dos núcleos do movimento, em conversa transcrita no melhor jornalismo de cobertura desses dias: a colheita da repórter Josette Goulart, do site e da revista Piauí, na sua original participação em quatro grupos de WhatsApp de lideranças da obstrução. A informação não surpreende, mas talvez ilumine algumas sombras da situação.
Nesses grupos “se espalham”, como Josette constatou, “vídeos de militares apoiando o movimento e incentivando os caminhoneiros a não desistirem”. Não desistiram. E enriqueceram suas exigências: além de preço rebaixado do diesel, “renúncia de Temer e antecipação das eleições”. Em certa contradição com “o slogan frequente”: “Intervenção já”.

De quem? Não seria preciso dizer.

Mas os taxistas e donos de carros particulares que de repente se juntaram, quinta-feira, para destroçar o pedágio da Linha Amarela, próxima da Barra da Tijuca, preferiram não deixar dúvida. Do nada, surgiu entre eles uma faixa: “Intervenção militar”. A dúvida sobreveio, porém, trazida pelas outras informações: a faixa e a “intervenção militar” eram uma exigência ou a identificação de autoria do ataque agitador?
Por mais que os efeitos da greve sejam vistos e sentidos, há mais obscuridade do que clareza por aí.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

29 respostas

  1. Ora!Ora!Ora! Senhor Jânio ! O senhor esqueceu da última ditadura no Brasil ? Quase todos,inclusive operários e proletários,que à época ainda existiam,os NANICOS BURGUESES,preocupados com as genitálias dos ricos, e uma parcela numerosa dos outros,aplaudiam os GENERAIS C.BRANCO,MÉDICI,e os que os sucederam ,ao longo de 21 anos,todos eles já eram BÓSTO-NAROS.Então,essa turminha,que estava escondida,apareceu de novo,com a camisa amarela,a mesma de 1970 ,e estão ai,filhos e netos daquela troupe. O PT ganhou as últimas eleições ,pelo discurso PEQUENO BURGUES que está em seu DNA.Fora disso,quando começaram a demonstrar o que as DIREITAS DE TODO O MUNDO CHAMAM DE “POPULISMO”, a reação acionou esses seus criados de sempre,que estavam quietos,a falar nos sete pecados capitais.Somente como exemplo,do que quero expressar,na FRANÇA de tantas lembranças,somente 28% dos cidadãos,foram votar.E votaram nos BÓSTO-NAROS de lá.

    1. O PT ganhou as últimas eleições porque deu ao país os MELHORES 13 anos de sua triste sina como país. Isto sim está registrado no DNA do PT e a história mostrará sempre.
      Que somos um país com uma classe média hedionda isto, como diria o Mino, é do conhecimento até do mundo mineral. No entanto as realidades de meio século atrás e de agora têm grandes diferenças.
      A maior diferença é o poder monstruoso que tem hoje a mídia, coisa que não havia naquela época. Isto acrescentou ao inegável viés de direita de nossa sociedade, um nível absurdo de alienação e estupidez.

  2. A esquerda tem que fazer prevalecer a verdade. Esse é o momento oportuno para trazer à tona a impropriedade das privatizações que estão sendo feitas no Brasil.
    O principal motivo da gasolina cara e com preço instável é a política de preços implantada por Pedro Parente. Ele EXPORTA quase todo o petróleo cru da Petrobrás e depois o reimporta processado como gasolina. Como a gasolina é importada, o preço passa a ser reajustado praticamente diariamente, com base no preço externo do petróleo.
    Quem ganha com isso? Os acionistas, é claro. Nas costas dos brasileiros. E ainda reduzem empregos no Brasil, quando deixam de processar o petróleo aqui e o levam para ser processado em outros países, gerando empregos por lá.
    Isso é o neoliberalismo. A iniciativa privada administra as empresas visando os maiores lucros possíveis. Se a corrupção na política é ruim, entregar a administração de bens essenciais à vida, como água, energia, saneamento, combustível é incomparavelmente pior. E torna o povo refém das grandes multinacionais, das grandes potências e de seus interesses econômicos e geopolíticos.
    A iniciativa privada só serve para administrar produtos e serviços não essenciais, que se os preços subirem sem motivo justificável, as pessoas simplesmente não compram. Como carros, por exemplo.
    Bom lembrar que em 2014, quando a lavajato começou, o preço do barril do petróleo caiu absurdamente, por conta de medidas adotadas pelos EUA, supostamente para prejudicar a Rússia e a Venezuela, grandes exportadores de petróleo. Todas as petroleiras do mundo, incluindo a Petrobrás, ficaram desvalorizadas, já que seu patrimônio é o próprio petróleo. A perda de valor da Petrobrás foi indevidamente associada à corrupção. Corrupção não quebra empresas, reduz o lucro. Precisa ser muito inteligente para perceber que os EUA, em conjunto com a lavajato, armou essa cilada para justificar a privatização da Petrobrás, ainda por cima com o preço lá embaixo?

  3. … Já passou da hora de o honesto povo trabalhador ir, “em peso”, para a província de Curitiba do infame ‘psicoPATO’ DEMoTucano ‘mor(T)o’ e tirar o inocente e eterno presidente Lula da masmorra dos criminosos nazigolpistas &$ mega corruptos!
    Esperar decisão de justi$$$a criminosa, é coisa de covardes!

    1. Com esse caos que está o Brasil, capaz de quererem matar o Lula. Lula eleito, não dar espaço a estes que querem a volta dos militares na presidência.

  4. Tudo abastece a direita se a esquerda fica em casa “discutindo a conjuntura” e não vai pra rua ouvir as pessoas . A vacilação da esquerda tem sido fatal desde 2013.

    1. Ouvir para traçar estratégia futura mas agora não adianta bater palma pra maluco e servir de manobra pra fascistas.
      O mais importante agora é:
      Lula Livre.
      LULÃO 2018 !!!!

      1. A política saiu dos gabinetes parlamentares e até mesmo das mãos do MPF e do STF , ela foi jogada nas ruas, ou melhor, nas rodovias e acostamentos do Brasil todo. Vamos aproveitar esse espaço ou vamos amarelar e ceder terreno fácil pra extrema direita?

        1. Tá certa. Porém sugiriria demarcar bem a diferença entre os tipos de manifestação se não será outro 2013 mais sofisticado. E faremos coro pra fascistas.

  5. Triste saber disso. Essas pessoas que defendem a intervenção militar e o tal Bolsonaro não têm a mínima idéia do quanto foi nefasto viver sob a égide de um governo militar. Foram 21 anos amargos dos quais não tenho a mínima saudade. É por isso que cabe a cada um de nós, que defende os governos petistas, a responsabilidade ainda maior de abrir os olhos desses bolsominions cegos e desprovidos de qualquer vestígio de bom senso.

  6. Os Bolsomitas que pedem intervenção militar se esquecem que um dos que dão sustentação a sanha destruidora dos golpistas é um milico: o General Etchegoyen.

    1. Foto de Moro com Parente em Nova York resume a tragédia dos combustíveis no Brasil
      Entenda por que a foto do juiz Sergio Moro com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, em Nova York, explica o caos sem precedentes no abastecimento no Brasil
      (…)
      FONTE: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/05/sergio-moro-pedro-parente-nova-york.html
      https://www.pragmatismopolitico.com.br/wp-content/uploads/2018/05/serigo-moro-pedro-parente.png

      1. A bolsinha de grife da madame acima custa R$ 15.000,00!
        Ou seja, mais de 15 salários mínimos!
        Considerado “o sortudo” que tem emprego nesta ‘republiqueta do CU(nha) do mundo’!
        Ou ainda, 04 meses do criminoso auxílio-MOROdia!
        Canalhas desassuntados!

  7. VC QUE é DE ESQUERDA E TÁ EM DÚVIDA SOBRE QUAL POSIÇÃO TOMAR NA GREVE DOS CAMINHONEIROS: É MUITO CLARO. Basta ver que a mídia reacionária, Globo, Folha… estão totalmente contra e tentando deslegitimar a greve. Como dizia Brizola: o correto é o lado contrário ao da Globo!!! Se a Globo tá contra a greve e a favor de Temer na Petrobrás, estamos a favor da greve.

  8. O preço do Diesel pode ter sido a gota d’água, mas é fato que caminhoneiros sofrem violência (roubo de cargas, etc) – e neste caso em particular, pouco importa se ele é autônomo ou trabalha para uma empresa.

    Bolsonaro com essas ideias demagogas de “bandido bom é bandido morto” e distribuição de armas é um canto da sereia para a categoria.

    1. Concordo. O perigo é, diante da falta de politização desse povo, o movimento ser sequestrado, em ideias e na prática, ao final, pelos donos donos dos meios de produção. A esquerda não vai, agora, no curtíssimo prazo, trazer os caminhoneiros para o movimento dos trabalhadores. Se fizermos coro, será para ser usado pela direita fascista. Não tenho dúvida, por mais legítima que seja a causa dos caminhoneiros. Gato escaldado… (2013). Politização tem que ocorrer no dia a dia e não numa conjuntura esquizofrênica como essa, cujas consequências são incontroláveis.
      Lula Livre.
      LULÃO 2018 !!!

      1. Ontem passei boa parte da tarde assistindo a Globo News, e hoje fui fazer uma caminhada (a pé) e passei por uma manifestação (minha casa fica próxima a rodovia Dutra e perto da concentraçao de caminhoneiros parados. Vai daí bati um papo informal com a turma, e o que constatei (in loco) foi o seguinte: 1. A maioria são “agregados” (não tem vínculo empregaticio com as transportadoras, trabalham por “frete” ou são contratados por tercerizados das empresas). 2. Com a crise economica a demanda caiu e as transportadoras começaram a fazer concorrencia com o preço dos fretes e contratos temporários, ou seja, para preservar a margem de lucro pagam menos aos caminhoneiros. 3. O preço dos fretes, o custo do combustivel, os gastos na estrada e a manutenção dos caminhões zera todo o ganho. Como me explicou um deles: ” a gente trabalha mais de 12 hs por dia, vive como um bicho rodando pelas estradas afora, e no final a estrada, o patrão e o posto ficam com tudo. A gente não tem mais nada pra perder. Se nada for resolvido, dona, eu (e outros aqui também) vou deixar meu caminhão na porta do banco (to devendo ainda umas 8 prestações) e vou trabalhar noutra coisa.A gente tá pagando pra trabalhar, enquanto um bando não faz nada e ganha dinheiro”Resumindo: a crise apenas começou.

  9. Discordo dessa análise, porque Bolsonaro já deu o que tinha que dar. Ele só tem essa quantidade enorme de votos porque ele pegou pra si aquela galera raivosa que nunca votaria no PT, e via no PSDB a melhor alternativa. Alckmin e o resto do PSDB está tão pra baixo por causa disso, porque perderam o voto fascista. Quem apoia Bolsonaro agora, sempre apoiou, e essa “greve” não indicou nada que faça ele crescer. Por falar nisso, o que Bolsonaro tem a dizer sobre a greve? Não vi nada dele até agora falando alguma coisa. Ainda mais agora que ele tá tentando se aproximar do empresariado, deve tá dando curto na cabeça dele saber o que apoiar.

  10. Bobagem!
    Vai dar Ciro no final, independente dos coxinhas e mortadelas, com suas brigas infantis!
    Se as esquerdas tiverem o mínimo de inteligência, vão fechar com Ciro, dos males o menor

  11. No início, o senso de oportunidade dos fascistas fez com que muito de sua presença aparecesse no meio do movimento. Mas nem de longe tomaram a frente do movimento.
    Pelo contrário, há reação espontânea contra eles por onde quer que se manifestem, porque fica visível o perigo de apequenamento limitativo do movimento quando alçam dentro dele as bandeiras fascistas. A população brasileira em geral, sem distinção política, está apoiando explicitamente os caminhoneiros.
    Mas na perspectiva da luta na vanguarda do movimento, deve-se ter em mente que não é suficiente voltar ao sistema de composição de preços anterior, onde os preços internacionais tinham influência relativa muito baixa. De fato, a Petrobras tem técnica, reservas e amplitude que bastem para manter no país um preço de combustíveis socialmente ponderado e equilibrado de acordo com uma política integrada de desenvolvimento, e ainda assim apresentar grandes lucros. Mas isso não será suficiente. É fundamental a recompra sistemática das ações da Petrobras no mercado, para expurgar a infecção da presença dos especuladores, de modo a que venhamos a ter uma empresa 100% estatal no prazo máximo de quatro anos.

  12. Infelizmente nossa esquerda anda com os neurônios lentos… deixaram de aproveitar a greve dos caminhoneiros para dar inicio a uma Greve Geral pq não conseguiram compreender a população assim como em 2013… E se não conseguem compreender a população…

  13. Que eu saiba Bolsonaro é queridinho de muitos liberais anti-estado, etc etc… penso que esse desabastecimento vai ser um balde frio na modinha liberal que vinha tomando conta…

  14. Depois de 2 anos servindo ao Temer, com o Lula já preso sem reação, com o STF tendo aceitado a ameaça do comandante do exército, os militares querem, a quatro meses das eleições, desvincular sua imagem do Temer.

  15. Não sei a situação em outros estados, mas aqui em Curitiba-PR, nos vários pontos de bloqueio que ocorreram na BR-116, os dois únicos momentos que vi alguma alusão a Intervenção Militar foi um pequeno comboio de 4 Vans brancas com faixas pedindo intervenção militar que andavam sozinhos em velocidade reduzida na rodovia, e uma “mega passeata” de cerca de 20 pessoas andando em volta do quartel no bairro Bacacheri em Curitiba com faixas escrito “O comunismo mata, a corrupção mata”. Com isso, fica meio óbvio que existem grupelhos pagos para tentar sequestrar a pauta dos caminhoneiros, assim como a grande atividade em grupos de whatsapp é obviamente robôs pagos para tumultuar. Detalhe interessante é que pouquíssimos estão utilizando a famigerada camiseta da seleção brasileira. Acho que o maior problema é o enorme espaço que dão para o “perigo Bolsonaro” e não suas limitadas atividades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *