Pesquisa da Fox coloca Sanders à frente de Hillary pela primeira vez

geralfox

Parecia impossível e ainda parece.

Mas ontem, pela primeira vez, uma pesquisa da Fox entre eleitores do Partido Democrata colocou, pela primeira vez, o senador Bernie Sanders à frente de Hillary Clinton.

47 a 44 por cento, com uma margem de erro de três pontos percentuais.

escaladasanders1Pouco, mas muito para quem tinha uma desvantagem de 12 pontos há um mês e 22, 60 dias atrás, nas pesquisas da própria Fox, sabidamente uma empresa conservadora.

E uma escalada que impressiona mais porque não se dá sobre os eleitores indecisos, mas nos que pendiam para Hillary por ser a “candidata viável”.

A candidata ainda conserva esta imagem, mas cada vez mais apagada: hoje, 28% acreditam que será ela quem irá para a Casa Branca, contra 25% de Donald Trump e 17% de Sanders.

detalhesfoxO crescimento da candidatura Sanders entre os mais jovens é espantoso.

Ele tem 70% dos eleitores do Partido Democrata de até 45 anos de idade, contra apenas 36% para Hillary.

Há uma “Onda Bernie”e não se sabe até aonde ela pode subir sem se chocar com as rochas de um sistema partidário de século como o norte-americano.

wsjClinton ainda “se segura” pela fidelidade  do eleitorado negro e latino, como você pode verificar na pesquisa da Fox (ao lado, acima) e, logo a seguir, também em outro levantamento divulgado ontem pelo Wall Street Journal, que aponta Hillary com 11 pontos de vantagem sobre Sanders (53% a 42%), muito menos do que tinha sido registrado na ultima sondagem do WSJ, quando a candidata tinha 25 pontos de vantagem,que era de 59% a 34% um mês antes.

O jornal chama a atenção para o crescimento de Sanders no eleitorado feminino: ele reduziu em 19 pontos a sua desvantagem entre as todas as mulheres e em 21 entre as mulheres brancas.

O mesmo, diz o WSJ, ocorre no eleitorado “não-branco” (sic), onde Clinton está à frente com 62% a 33%, 29 pontos de vantagem; há um mês, ela tinha 42% de frente.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Se a fox do murdock diz isso, a coisa ta preta para a hillary…tambem o povo norte americano depois de estar vivendo uma grande porcao em (food stamps) bolsa comida.. ja nao aguentam mais.. tem de mudar o sistema…

  2. Número de delegados: Hillary 481 Sanders 55
    Fonte AP.
    Sanders pode ter mais popularidade mas os “superdelegados” devem dar a vitória para a Hillary.

    1. Sim, pelo o pouco que tenho lido sobre isso, a tendência é que os “superdelegados” deem a vitória a Hillary . É mais uma ironia “democrática” dos EUA, o país da liberdade.

  3. Tem que abrir mais vantagem. 25% de superdelegados que podem votar em quem quiser podem decidir a parada para o establishment, Hillary portanto, dentro do partido democrata.

  4. Uma sociedade anglo-saxônica que tanto fez para subjugar as minorias agora se dá conta que fez papel de imbecil aos verdadeiros donos de seu ideário.
    Nada como estar devendo milhares de dólares da faculdade dos filhos e não ter saúde pública gratuita e ser jogado na sarjeta do desespero para morrer humilhado.
    Pelo menos um pouco de inteligência eles tem. Muito melhor assim.
    Para o fito, é um bom divertimento, assistam a:
    SICKO, documentário de Michael Moore sobre o sistema de saúde estadunidense.
    Vai o link:https://www.youtube.com/watch?v=VoBleMNAwUg

  5. Hillary é uma republicana num modelito de democrata. Não vai melhorar nada para os americanos, mas ela vai afundar mais ainda os EUA em guerras e intervenções. Ninguém se engane por ela ser mulher e do partido democrata. Até os gringos já se tocaram disso, por isso Sanders cresce.

  6. Infelizmente nada mudará na politica norte americana não inporta qual democrata ganhar.O congresso ou o judiciario de lá irá barrar qualquer politica progressista.Vejam só o Obama, não conseguiu implantar o sistema de saúde publica, não conseguiu fechar Guantanamo e por fim a Suprema Corte barrou o plano de diminuição de emissão de CO2.Assistam o documentario “A Corporação“, que mostra exatamente quem manda nos EUA, quiçá no planeta.

  7. Não importa quem ganhe, se republicano ou democrata.
    Eles partilham uma agenda em comum (domínio sobre o mundo).
    Apenas diferem nos métodos. Os republicanos usam a força. Os democratas, o “convencimento” (exemplo: alarmismo do aquecimento global). Os democratas são parceiros da UN.
    Os americanos estão ficando um pouco fartos com a influência da UN na política externa americana.
    Assim como os ingleses estão também querendo pular fora da UE.
    Com os republicanos no poder, a ONU pia mais baixo. O que não seria ruim. Com a Hillary, segue todas as histerias, tal como as tais “mudanças climáticas” (tsss).
    Se Hillary for escolhida, terá que explicar algumas coisinhas de quando era secretária de estado do Obama…
    Não me iludo com nenhum.

  8. A espada pendendo contra o conservadorismo concentrador de renda nos EUA é proporcional ao grau de virulência de seus aliados na zona de influência americana. Explico: quanto mais ameaçado o sistema, mais se investe na (ou contra) opinião pública e na capacidade antinacionalista das elites locais. Os mais ricos de lá dependem da relação “amistosa” das elites traidoras pra se manter forte internamente. A única forma do sistema de globalização excludente dar certo nos EUA é contando com a usurpação das riquezas em território externo. É uma política baseada unicamente na dominação e no poderio bélico. Veremos maior pressão por aqui na entrega do pré-sal, das áreas agricultáveis e tudo que puder ser levado pra garantir mais riquezas aos ricos e um cala-boca aos pobres do norte. Apoio logístico pra tomar o país de vez não vai faltar e a CIA já deve estar com a casa de caboclo montada pra tomar de vez toda a América Latina de volta ao poderio político americano. Tentarão colocar a todos de joelhos com o apoio de seus respectivos PSDB’s locais. Vem repressão, e violência institucional por aí. Já estamos vendo os primeiros ensaios. Em troca, nossa burguesia receberá o direito de continuar sonegando como sempre, apoderando-se das instituições e de fazer o que bem entender com os mais pobres do país (chego a pensar até em genocídio de feios, sujos, malvados e opositores). Fascismo não seria bem o termo: como definir a ação do ISIS ou do governo saudita contra o povo? E a condescendência das organizações internacionais? É mais ou menos por aí. Talvez tenhamos uma nova política de ‘branqueamento” por estas paradas. Está é a nossa versão de desumanidade predileta. Pra interromper a escalada de nomes como o de Sanders, vale ataque terrorista em território americano, nas Olimpíadas do Brasil, tudo forjado pra parecer coisa de comuna-xiita-sírio-bolivariano-norte-coreano. E criar novamente o solo fértil pra escalada de gente como Trump.

  9. Sinceramente, eu acho que o Sanders é o único que pode derrubar o Donald Trump, porque se a escolhida for a Hilary, o Trump já pode ser considerado o sucessor do Obama.

  10. Tropas de Putin vão promover golpe nos EEUU para acabar com o “cumunismu”…

    O mundo é redondo… e gira!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.