PF do Rio vazou informação na época de delegado ‘morista’

A ânsia “morista” da grande mídia tem destacado que Alexandre Ramagem, o preferido de Jair Bolsonaro estaria envolvido na Operação Cadeia Velha, da qual teria se originado a “Furna da Onça”, na qual surgiu a investigação sobre a “rachadinha” de Fabrício Queiroz e o gabinete de Flávio Bolsonaro.

Calma, porque a história é bem mais complicada.

O aviso de “um delegado da PF” a Flávio Bolsonaro, segundo afirma seu suplente, Paulo Marinho, deu-se em outubro de 2018. Nesta ocasião, Ramagem já estava afastado do Rio de Janeiro há seis meses, porque foi nomeado, em 29 de março de 2018, Coordenador de Recursos Humanos da Diretoria de Gestão de Pessoal do Departamento de Polícia Federal. Deste cargo ele só sairia após as eleições, no dia 29 de outubro, para chefiar a segurança do já então presidente eleito.

Quem chefiava a PF do Rio de Janeiro quando aconteceu o vazamento da informação era, vejam só, o delegado Ricardo Saadi, o mesmo que Bolsonaro – segundo o próprio Moro – queria trocar desde agosto de 2019 e que estava no cargo desde fevereiro de 2018.

Saadi foi, em outubro do ano passado, depois de sair da chefia da PF no Rio, nomeado Chefe do Serviço de Repressão a Crimes Financeiros da Coordenação de Repressão à Lavagem de Dinheiro da Coordenação-Geral de Repressão à Corrupção e Lavagem de Dinheiro da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, um cargo que, é claro, não seria preenchido sem a anuência de Sérgio Moro.

Será que o então superintendente não sabia de uma operação que envolvia vários deputados estaduais, inclusive o presidente da Assembleia Legislativa? Será que um caso de tamanha importância não estava, ao menos, ciente de que o caso envolvia um candidato a presidente?

É bom que se ponha atenção à apuração deste caso. Há sinais de que pode ter havido mais cumplicidade de que a de um delegado bolsonarista que resolveu defender o seu “mito”.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. O agente da CIA esta enrolado até o pescoço.

    Irá para a cadeia juntamente com os quadrilheiros que mandam no Brasil.

    1. TAMBÉM é preciso esclarecer, entre outras ‘trocentas’ canalhices golpistas que entronaram a ‘famiglia’ Bolsonaro:
      1- o senhor participou ou tomou conhecimento deste capítulo da ‘Farsa a Jato’?
      2- o senhor tem ideia do perfil de um delegado da Polícia Federal que poderia ter cometido esta atrocidade inadjetivável?
      3 – alguém do Ministério Público poderia ter conhecimento desta mesma patifaria golpista?
      4 – em sua convicção (sic), o vazamento do mentiroso Antonio PuLLhoci deve ser esclarecido?
      5 – em que medida o senhor e a Polícia Federal atuaram na delação FALSA do PuLLhoci?
      6- o senhor e os seus mancomunados da Lava Jato farão o mea culpa ou se integrarão ao bloco das Madalenas “arrependidas”?
      7 – em algum momento, o senhor se arrependeu de ter vazado criminosamente aquele fatídico telefonema envolvendo a honesta e legítima presidenta Dilma Rousseff? Apenas não diga que o senhor não sabia que estava afrontando a Constituição e a Lei de Segurança Nacional!
      8 – uma mísera única vez o senhor sentiu um pouco de dor de cabeça ao pensar nos prejuízos imensuráveis causados ao honesto povo trabalhador brasileiro resultantes do seu ato criminoso?
      9 – em uma única vez, o senhor sentiu um pouquinho de remorso pelo fato de ter perseguido covardemente e condenado ILEGALMENTE à prisão uma pessoa inocente? Sim, dentre muitas vítimas do senhor, especificamente, eu estou me referindo ao eterno presidente Lula!
      10 – ao aceitar ser ministro da Justiça (da Justiça!) de um defensor da ditadura, da tortura, dos genocídios e representante de milícias, até aquele momento, o senhor nunca havia pelo menos suspeitado da biografia criminosa da ‘famiglia’ Bolsonaro?
      11 – baseado em sua “biografia” de operador do Direito (Direito!), na sua opinião, quem comete crimes hediondos merece o quê?

  2. Dificilmente o SUJO ‘mor(T)o’ &$ o “dalagnol evangélico de puteiro” não tinham conhecimento da maracutaia do “delegado boca de urna providencial” da PF do bozovírus!
    ‘Ramajo’ ou [cabo!] Anselmo?

    1. Paulo Marinho, nós estamos careca do (S)erra (sic) de saber que o senhor é da mesma laia da ‘famiglia’ Bolsonaro, família Moro, família dalagnol, ‘famiglia’ Marinho da Globo Organizações MafioCriminosas, da ‘famiglia’ da FIESP…
      No entanto, se redima mais: mostre as provas cabais da eleição FAKE de 2018 e… Ajude a salvar vidas!
      Mesmo porque o país vocês já destruíram!

  3. Em um país fora da Terra Plana, isso daria até anulação de eleição pelo favorecimento a um candidato para garantir o “contrato” com Moro.

    1. Em um país democrático no caso … e teríamos um JUIZ LADRÃO preso na mesma cela da sua cria …

  4. Moro publicou que Paulo Marinho é corajoso e que sua declaração deve ser apurada. Não podia deixar de dizer isso, já que essa história e a sua são irmãs. O Fantástico fez uma exposição do caso, focando na rachadinha, mas sem falar de modo algum sobre a relação entre o vazamento e a eleição de 2018. Claro que a Globo não quer que cheguem à conclusão de que o Haddad foi prejudicado e que a eleição foi fraudada. Se a Globo quer tirar Bolsonaro, é para empossar o Mourão e nada mais.

    1. Perfeito. A globo não está associando que foi entre o primeiro e o segundo turno da eleição o fato declarado pelo Pedro Collo… ops!! digo Paulo Marinho que favoreceu a eleição do Bozo. Está querendo poupar o Moro e o Mourão para tirarem o Bozo, mas não perderem a eleição de 2018.

  5. Três delegados da Polícia Federal no Rio de Janeiro – Hélio Khristian, Lorenzo Martins Pompílio e Felício Laterça, atual deputado federal do PSL – levaram o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, como testemunha para ser ouvido na Polícia Civil, acompanhados da advogada Camila Nogueira. [1]

    Um inquérito da própria PF sobre a atuação da Polícia Civil do Rio de Janeiro no caso Marielle Franco, conduzido pelo delegado federal Leandro Almada, concluiu que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, e a advogada dele, Camila Nogueira, fazem parte de uma organização criminosa cujo objetivo era atrapalhar as investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco (PSol) e do seu motorista, Anderson Gomes´

    Os 3 delegados federais citados – Hélio Khristian, Lorenzo Martins Pompílio e Felício Laterça, atual deputado federal do PSL – foram investigados, juntos com o PM Ferreirinha e a advogada Camila, provavelmente como cúmplices dos dois.

    Como se viu, tanto o caso envolvendo os 3 delegados federais que apresentaram a testemunha para melar a investigação sobre o assassinato de Marielle, quanto a denúncia de Paulo Marinho sobre 1 delegado federal que avisou os Bolsonaro sobre a Operação Furna da Onça, TINHAM O MESMO OBJETIVO: ajudar o genocida Jair Bolsonaro a ser eleito presidente.

    Dai que, muito provavelmente, os 3 delegados citados do primeiro caso terão algo a dizer sobre o segundo. Serão chamados a depor e se explicar ? Seria o delegado que vazou a Furna da Onça para os Bolsonaro um dos três que levaram Ferreirinha à PF para melar o inquérito da PC sobre Marielle ?

    – – – – – – – – – – – – –
    [1] “Para PF, investigação das mortes de Marielle e Anderson foi obstruída” – 23/05/2019 22:43, em https://www.metropoles.com/brasil/para-pf-investigacao-das-mortes-de-marielle-e-anderson-foi-obstruida

  6. Tem de lembrar que, já decidido o primeiro turno, naquele momento bozo é moro e moro é bozo. O processo de decantação só se realizaria depois. Né não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *