A cara de pau de Moro com o ‘aviso’ da PF a Bolsonaro

É absolutamente cínico – e nisso não há novidade – a reação do Sr. Sergio Moro dizendo que pretende pedir que seja tomado o depoimento do suplente de Flávio Bolsonaro, Paulo Marinho, de que a Polícia Federal tenha “segurado” a investigação do caso Fabrício Queiroz para não prejudicar eleitoralmente Jair Bolsonaro e ainda mandado avisar o então candidato para que ele e o filho demitissem o ex-PM e sua filha, esta funcionária do seu gabinete na Câmara.

Ora, Moro não apenas escolheu sozinho o diretor da PF como, no mínimo desde que começaram as pressões para trocar a direção do órgão no Rio de Janeiro para, supostamente, favorecer o já presidente da República. É inacreditável que, dentro da estrutura da corporação no Rio o “freio” na investigação – que envolvia muitos agentes, senão também outras autoridades policiais – e que não se soubesse do “segura aí” de um processo que envolvia seis deputados e o próprio presidente da Assembleia Legislativa.

Aliás, em movimento inverso, Moro não se acanhou em “acelerar” a liberação do desacreditado acordo de delação premiada de Antonio Palocci a poucos dias do pleito, numa evidente manobra para causar desgaste à candidatura do PT.

Maurício Valeixo e Ricardo Saadi – o primeiro superintendente afastado da PF do Rio – não sabiam desta história, ao menos de ouvir dizer? Admitir isso seria admitir que são dois péssimos policiais, que não sabem o que se passa debaixo de seus narizes.

O próprio ex-ministro da Justiça, antes mesmo de tomar posse, já tinha conhecimento do relatório do Coaf, então na sua pasta, implicava Fabrício Queiroz e o gabinete do “Filho 01”, como a Folha publicou em manchete no início de dezembro de 2018.

E vem Moro dizer que foi “corajoso” o depoimento de quem guardou por dois anos segredo sobre uma grave manipulação policial de um inquérito, com confessado objetivo eleitoral?

O senso de Justiça de Moro depende de suas conveniências?

A Lei é para todos, mas só quando interessa?

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Sua conclusão, Brito, poderia ter sido afirmativa no meu entender. No Brasil, culturalmente, a Lei é para todos mas só quando interessa.

  2. Ainda sobre a cara de pau do psicopata de Maringá!

    TAMBÉM é preciso esclarecer, entre outras ‘trocentas’ canalhices golpistas que entronaram a ‘famiglia’ Bolsonaro:
    1- o senhor participou ou tomou conhecimento deste capítulo da ‘Farsa a Jato’?
    2- o senhor tem ideia do perfil de um delegado da Polícia Federal que poderia ter cometido esta atrocidade inadjetivável?
    3 – alguém do Ministério Público poderia ter conhecimento desta mesma patifaria golpista?
    4 – em sua convicção (sic), o vazamento do mentiroso Antonio PuLLhoci deve ser esclarecido?
    5 – em que medida o senhor e a Polícia Federal atuaram na delação FALSA do PuLLhoci?
    6- o senhor e os seus mancomunados da Lava Jato farão o mea culpa ou se integrarão ao bloco das Madalenas “arrependidas”?
    7 – em algum momento, o senhor se arrependeu de ter vazado criminosamente aquele fatídico telefonema envolvendo a honesta e legítima presidenta Dilma Rousseff? Apenas não diga que o senhor não sabia que estava afrontando a Constituição e a Lei de Segurança Nacional!
    8 – uma mísera única vez o senhor sentiu um pouco de dor de cabeça ao pensar nos prejuízos imensuráveis causados ao honesto povo trabalhador brasileiro resultantes do seu ato criminoso?
    9 – em uma única vez, o senhor sentiu um pouquinho de remorso pelo fato de ter perseguido covardemente e condenado ILEGALMENTE à prisão uma pessoa inocente? Sim, dentre muitas vítimas do senhor, especificamente, eu estou me referindo ao eterno presidente Lula!
    10 – ao aceitar ser ministro da Justiça (da Justiça!) de um defensor da ditadura, da tortura, dos genocídios e representante de milícias, até aquele momento, o senhor nunca havia pelo menos suspeitado da biografia criminosa da ‘famiglia’ Bolsonaro?
    11 – baseado em sua “biografia” de operador do Direito (Direito!), na sua opinião, quem comete crimes hediondos merece o quê?

    1. Seria cômico se não fosse trágico. A que ponto chegamos, no Brasil de grandes juristas, para sermos obrigados a aturar o interminável show de incompetência jurídica, ignorância, má fé e falta de caráter desse sujeito. Meu único consolo é vê-lo nessa feroz disputa de boçalidade com o Bozo. Sonho em ver a ambos despedaçados.

    2. Interessante notar que o canalha se arroga ares de autoridade, dizendo que “pretende pedir que Bozo e Marinho sejam ouvidos”. Assusta perceber que, aparentemente, a aura de “otoridade” desse verme se sobrepõe ao fato de ele não ser mais coisa alguma, sequer estagiário de escritório de “adevogado”, e nenhum jornalista, dentre todos que têm feito a cobertura desses fatos ter se apercebido disto. Ele segue agindo, falando e sendo visto pela mídia e pelas instituições como se fosse juiz e ministro. Há algo de muito errado nisto e é urgente que ponha esse reles contínuo da CIA no seu devido lugar. Que tal comentar isto, Brito.

      1. É a construção de uma nova farsa para endeusar politicamente essa nota de 3 reais.
        Mais um projeto da Casa-grande e seu braço midiático chamado PIG com o devido silêncio da esquerda.

        1. Olha! Se a situação econômica e sanitária do Pais estivesse numa “boa”, estes picaretas, seriam considerados heróis pela mídia. Mas, é como dizem: O Castigo anda a cavalo. Estamos numa crise econômica grandiosa, e também temos o Covid19. Então chegou a hora de acertar as contas com estes traidores da Pátria:Bozó, Moro, Globo, “Foia”, Estadão, Band, Record, E a tal do Baú. Estas coisas nojentas que apoiaram ou fizeram, não deve ser perdoadas. Cadeia pra esta turma é pouco, mas o certo seria pendurá-los numa ponta de uma corda, para exemplificá-os nunca mais fazerem q o que fizerem . São traidores da Pátria.

  3. ‘A lei é para todos mas apenas quando interessa” será o epitáfio gravado no túmulo de Moro. Esse tem sido, aliás, o seu lema desde sempre como juiz e, depois, como um fantoche no Ministério da Justiça. Só até quando lhe interessou. Sem novidades quanto ao caráter do juizeco de Maringá, mas até que é divertido assistir ao seu processo de auto-incriminação. Não pode dar um passo contra o Coiso sem que sofra os respingos de sujeira.

  4. Ao ritmo de galope, a sociedade brasileira vai conhecendo que sujeitos – fantasiados de servidores públicos – fazem outros serviços que nada dizem com a MISSÃO da Instituição à qual estão ligados. É caso de (dezenas?) de delegados da PF atuam muito mais no sentido de proteger “possíveis” amigos (ou extorqui-los mais adiante, quem sabe!). Assim, tornou-se comum delegado da PF atuar como “miliciano”…Há os milicianos do Aécio, do Moro, do Temer e de tantos outros…e agora do Bolsonaro e família… Que nível de “gangsteria” alcançou o Serviço Público? Isso pra falar de uma única Instituição: a PF.

  5. Comportamento típico dos canalhas AGENTES da CIA!

    CANALHA!

    Um dia esse canalha sera condenado por seus atos canalhas!

  6. A nata jurídica do país se nivelou pelo esgoto ao permitir silenciosamente que Moro seja – como jurista de quinta categoria – o destaque do momento.

  7. Tá tudo podre. A PF pelo que se vê era e é um braço armado da turma do Clã. É só observarmos: Cadê o Queiroz???
    Quem o está dando cobertura a ele ? Dou um sorvete de Morango para quem disser ! PFRJ. Vergonheira. E agora o Moro que sabia de tudo, quer dar uma de virgem em bordel.

  8. O pior bandido é o juiz corrupto, o advogado sem caráter, o funcionário público miliciano, Moro se enquadra em todos, e em breve será o candidato das elites e se bobear é eleito, o Brasil não toma jeito.

  9. Moro não tem qualquer compromisso com a justiça, muito menos senso de justiça.
    É apenas um agente de potência estrangeira a utilizar os mecanismos do sistema judiciário para interesses políticos, próprios e especialmente aqueles de seus senhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *