Piora na economia mundial acende luz amarela no Brasil

Enquanto escrevo, o dólar bate a máxima do dia, a R$ 5,24, 2,5% de alta desde o fechamento de sexta-feira.

E desta vez, não foram turbulências internas, até porque o mercado já aceita que o Brasil não tem governo e, portanto, o que acontece por lá não influiria tanto nos negócios aqui.

Desta vez, foi a onda de pessimismo mundial, provocada por dois fatores.

O temor com uma recidiva da Covid, por conta da variante, a Delta, identificada na Índia, que desacelere a reabertura da Europa e dos Estados Unidos e o recuo no mercado de commodities, puxado por uma pequena queda de preços no petróleo e pela perspectiva de menor produção industrial no mundo.

Pode ser que isso não dure ou, mais ainda, que se aprofunde, mas é sinal importante de que a recuperação econômica, mesmo pequena, vai ficando para mais adiante.

Dólar caro, juros em alta, inflação forte (o IPC-Semanal da Fundação Getúlio Vargas marcou 0,88% em um mês), desemprego que não cede, renda que se reduz, o coquetel de problemas vai sendo sacudido teimosamente.

O mais ameaçador, porém, é que estamos pendurados no mercado de commodities, que vinha crescendo num ritmo absurdo (45%, em dólar, de aumento do minério de ferro, em apenas em um ano) e se ele estacionar ou cair, leva junto as previsões de alta gigante no PIB, ainda que uma alta concentrada em setores que não circulam riqueza no país.

O mercado financeiro já vai estendendo para perto de 7% suas previsões de inflação, o que significa a perda da folga orçametária prevista pelo governo, uma vez que o teto de gastos é reajustado pela inflação de meio de ano (8%) e as despesas pela inflação do final de 2021, que se esperava entraria em baixa, para pouco mais de 2%.

Agora, os dois índices ficarão próximos de “colar” e isso leva a mais arrocho das despesas públicas, o contrário do “saco de bondades” com que Bolsonaro espera ter vantagem nas eleições do ano que vem.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *