Pires subiu no telhado na Petrobras

Adriano Pires, o indicado de Jair Bolsonaro para presidir a Petrobras, depois da punhalada que levou o general Joaquim Luna e Silva, sempre foi “arroz de festa” na mídia. Desde a indicação, porém, sua empresa, vinha dizendo que “o professor Adriano está em período de silêncio” e nada disse sobre o cargo que, em tese, ocuparia dentro de dez dias.

Fica-se sabendo, agora, através do site Poder360, do qual Pires é próximo e mesmo um de seus colunistas, que não é discrição, é medo:

“O economista e especialista em óleo gás Adriano Pires estuda se será possível aceitar o convite para ser o presidente da Petrobras. Pesa na decisão de Pires uma exigência hoje que parece ser incontornável: deixar sua empresa Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) sob comando de seu filho, Pedro Rodrigues Pires, hoje sócio-diretor do empreendimento”.

E diz que a Lei das Estatais proíbe Lei das Estatais, que “um executivo da empresa tenha parentes atuando no mercado para empreendimentos que possam ser considerados concorrentes.”

Conversa: o que a lei impede é que seja indicado para a direção ou para o Conselho de Administração de empresas estatais pessoa que tenha ou possa ter qualquer forma de conflito de interesse com a pessoa político-administrativa controladora da empresa pública ou da sociedade de economia mista ou com a própria empresa ou sociedade”.

É o texto do Inciso V do § 2° do artigo 37 da Lei 13.303/2016.

Portanto, há aparente vedação da própria indicação de Adriano Pires ou de qualquer outro dirigente que esteja metido com negócios que envolvam a Petrobras e empresas privadas concorrentes ou associadas a ela. E não faltam empresas assim no portfólio de negócios da CBIE: Shell, Exxon, Chevron, para ficarmos nas petroleiras multinacionais, e a Braskem, onde a Petrobras tem imensa participação acionária.

O indicado para presidir o Conselho da Petrobras, Rodolfo Landim, anunciou ontem que “declinou do convite”. A justificativa é a de que vai concentrar todo o seu tempo e dedicação “para o ainda maior fortalecimento do nosso Flamengo”, clube do qual é presidente.

Outra conversa afiada, porque se fosse isso ele também não teria aceitado antes de ser indicado oficialmente. A razão, mesmo, é que Landim sóci0-administrador da Mare Investimentos, um private equity que, segundo seu próprio site, ” visa aproveitar as oportunidades que surgiram dos desequilíbrios existentes na indústria do petróleo no Brasil.

Pior, que é acusado pelo Ministério Público Federal de ter destruído recursos da Previ, a fundação de seguridade do Banco do Brasil, através de investimentos ruinosos:

Vale destacar que a Mare Investimentos e a Mantiq Investimentos eram os gestores na época em que o FIP investiu nas companhias BRASIL PETRÓLEO PARTICIPAÇÕES S.A. (PROJETO DEEPFLEX), a DOCK BRASIL ENGENHARIA E SERVIÇOS S.A. e a POSEIDON PARTICIPAÇÕES S.A.. Os investimentos nas referidas empresas, sob a gestão da Mare Investimentos e a Mantiq Investimentos, foram cercados de irregularidades (…)

Adriano subiu no telhado. Landim, este já caiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *