Polícia “passa pano” sobre assassinato político e premeditado em Foz

O agente penal Jorge José Guaranho não estava fazendo uma “ronda” casual no clube em que o guarda municipal Marcelo Arruda foi assassinado em sua própria festa de aniversário, apontou o inquérito policial. Ele viu, em outro local, as imagens da festa e a sua ida ao local foi, evidentemente, para atacar – ao menos verbalmente – os participantes do evento. Da mesma forma, foi deliberado o seu retorno ao local, quando disparou contra Marcelo.

Embora, como esperado, a Polícia Civil procurou “passar pano” sobre a natureza política e a premeditação do homicídio, dizendo que não poderia classificar como “político” o crime porque Arruda teria jogado um punhado de terra em Guaranho, isso não resiste às declarações da própria delegada encarregada do caso.

Ora, se como ela disse Guaranho foi agredir a festa de Arruda – a quem não conhecia – por razões políticas, é evidente que toda a discussão que se segue, a ameaça armada e os disparos vem em consequência, tem motivação política.

Como disse a apresentadora Leilane Neubarth, da Globonews, o agente penal não teria ido provocar se o tema da festa fosse “do Mickey”.

Igualmente, a premeditação é claríssima: Guaranho foi em direção a uma festa de desafetos políticos, fez provocações com gritos de “Aqui é Bolsonaro”, mostrou sua arma, prometeu voltar, voltou, abriu portões fechados, aponta a arma e toma a iniciativa de disparar. Se isso não é premeditação. o que seria?

Outra história mal-contadíssima é a do telefone do assassino. Como ele foi colocado em custódia policial ao entrar no hospital, não havia nenhuma razão para seu celular não ser imediatamente apreendido e só entregue dias depois pela sua própria mulher – e apenas com ordem judicial – bloqueado por uma senha não fornecida e que, segundo a delegada, levará 20 dias para ser desbloqueado.

Isso, hoje, não leva mais que minutos ou poucas horas, se a senha for longa, com muitos caracteres.

A delegada, em última instância, está culpando a vítima, que teria feito o assassino teria “se sentido humilhado” pela reação de Marcelo ao jogar-lhe um punhado de terra e saibro de um canteiro. Ora, isso não é “humilhação” suficiente para quem já tinha apontado uma arma para vítima. Ainda mais quando esta pessoa é um agente penitenciário, que está acostumado a reagir sem “humilhação” a hostilidades mais “humilhantes” que vem de presos, por preparação e treinamento profissional.

Se o procurador-geral da República, Augusto Aras, dizia que seria preciso saber se as investigações paranaenses seriam bem conduzidas, aí estão as provas de que não são e que, por isso, devem ser federalizadas.

Até porque, com armações deste tipo, só fazem estimular sua repetição.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *