Procuradores foram “consultores” de pedido de impeachment de Gilmar

Thamea Danelon, ex-coordenadora da Lava Jato em São Paulo, e Deltan Dallagnoll, coordenador da operação em Curitiba, dispuseram-se a ser consultores para fazer a minuta de um pedido de impeachment de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, apresentada pelo advogado Modesto Carvalhosa.

Não é preciso dizer que, além de não serem parte legítima para fazer isso, a competência para agir contra ministros do Supremo é exclusiva do Procurador Geral da República.

Não é apenas antiético, é criminoso, porque Carvalhosa é advogado dos acionistas minoritários da Petrobras, que podem se beneficiar pecuniariamente dos processos da Lava Jato, cuidados do Danelon e Dallagnol.

Mais grave ainda que a procuradora Danelon foi mencionada pelo provável Procurador Geral da República, Augusto Aras, como possível coordenadora nacional da Lava Jato.

Nomeação que, se houver lógica, não acontecerá, pois seria uma afronta ao STF.

Como será uma ofensa que o Conselho Nacional do Ministério Público continue protelando as punições administrativas a Dallagnol, como vem fazendo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. A VAZAJATO, DO JEITO QUE A FOLHA GOSTA

    Como nos bons tempos da LavaJato, logo de manhã, a VazaJato na Folha Ditabranda se presta para vazar delação de bandido contra Lula sem provas, logo após Fachin homologar delação do canalha. De noite, a VazaJato serve para mostrar – oh, dó – que o toga Mendes é um perseguido.

    Pelo andar da carruagem, não demora muito, ouvir-se-á o grito “GILMAR LIVRE!”

  2. Hemeroteca

    Estadão
    Para juristas, governo compra apoios
    Protesto a favor do impeachment da presidente Dilma reuniu cerca de 3 mil pessoas, segundo organizadores, no Largo São Francisco
    Gilberto Amêndola – O Estado de S.Paulo
    04 de abril de 2016 | 20h24
    Autores do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff participaram nesta segunda-feira de um ato na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo (USP), na capital paulista. A advogada Janaína Pascoal, o promotor aposentado Hélio Bicudo e o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior defenderam a saída da petista do cargo e acusaram o atual governo de comprar votos no Congresso Nacional.

    O ato a favor do impeachment reuniu cerca de 3 mil pessoas, segundo os organizadores. “Os deputados precisam escolher entre o bolso e a honra”, afirmou Reale Jr., que discursou do parlatório do Largo São Francisco. Em tom engajado, o jurista disse também que é difícil ver “que o impeachment depende de 20 deputados sendo cooptados pelo PT”. Ele ainda chamou o PT de “quadrilha” e puxou o coro de fora Dilma bradado pelos manifestantes.

    Em seu discurso, Bicudo disse que “nunca viu tantos desmandos no Brasil”. Para o jurista, inclusive, “nenhum deputado ou senador tem o direito de ir contra o desejo popular, não tem o direito de manter Dilma e o PT no poder”.

    Aos gritos de “acabou a ‘República da cobra'” – referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva –, Janaína Pascoal fez um discurso que inflamou a plateia presente ao ato. “Não existe isso de alto ou baixo clero. O que existem são deputados. E as cobras que usurparam o poder estão usando das fraquezas humanas dos deputados para se segurarem no poder”, disse. Ainda segundo ela, é hora de discutir a quem o Brasil quer servir. “Queremos servir à uma cobra ou ao dinheiro? Nenhuma dessas alternativas. O Brasil não é a ‘República da Cobra’”, afirmou.

    No dia 4 de março, quando foi levado a depor coercitivamente pela Polícia Federal, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em discurso, que “se quiseram matar a jararaca, não bateram na cabeça, bateram no rabo”. Além de falar que a jararaca estava viva, como sempre esteve, Lula ainda afirmou que se sentia ultrajado por ter sido obrigado a depor na 23.ª fase Operação da Lava Jato.

    Sérgio Moro. O professor de direito Marco de Lucca fez um discurso em apoio ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato na 1.ª instância. Ele disse já ter chegado “até a escrever poemas para Lula”, mas, agora, conforme afirmou durante o protesto, pretende ver o ex-presidente preso.

    O tom dos discursos continuou forte, com a mestre de cerimônias puxando coros do tipo “Lula cachaceiro, devolve o meu dinheiro”. Em seu discurso, por exemplo, o advogado Modesto Carvalhosa comparou os petistas a Joseph Goebbels. “Eles querem passar uma ideia de que todos são ladrões. Não somos não! Os petistas é que são ladrões e quadrilheiros”, afirmou o advogado durante o ato de ontem em São Paulo Goebbels ocupou o influente cargo de ministro da propaganda do governo alemão durante os anos em que o país foi comandado por Adolf Hitler.

    O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), Marcos da Costa, também se pronunciou durante o protesto e disse que a grande maioria da classe é pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

    Resistência. A advogada Maristela Basso afirmou que se o impeachment não for aprovado na Câmara dos Deputados, o processo será via Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e “se mesmo assim o impeachment não acontecer nós vamos sitiar Brasília até que cada petista seja tirado do poder”. Maristela explicou que o ato acontece do lado de fora da faculdade – diferente do ato contra o impeachment – porque querem que “represente o povo, represente toda a sociedade”.

  3. Sobre o tal cadastro de Bolsonaristas proposto por Olavo Doido de Carvalho, eu li comentário de um internauta dizendo que a ideia é “marcar o gado para ele não fugir”. Acontece que a coisa é mais ou menos por aí mesmo. Tendo um cadastro o clã miliciano pode acompanhar a atuação e a vida do bolsominion, de sorte que, se o carinha deixar de apoia-los pode até ser ameaçado como estão sendo ameaçados o Felipe Neto e o responsável pela CPMI das fake news.

    1. Carvalho gera Carvalhosas. É incrível que o Deltan, um rapaz razoavelmente instruído, vibre com a possibilidade de contar com a ajuda jurídica deste Carvalhosa, um ser iracundo e caricato que emergiu diretamente da Idade Média através das dobras do tempo bolsonarianas. Desconfiava que o Deltan e seus auxiliares eram um bando de sem noção, mas não a este ponto.

  4. O Dalaninho Traquino
    É o afamado fí da peste
    Transformou a lava Jato
    No verdadeiro faroeste
    Se foi revelado o bandido
    Por onde anda escondido
    Esse agourento cafajeste?

  5. As vítimas do massacre observando mergulhadas no mais absoluto imovilismo ,a briga de seus algozes.
    Até quando? que é necessário para mexer com os bríos da massa de alienados em que este país se converteu?
    Desemprego em massa,salários empobrecidos,aumento da violência ,futuro pior que o presente,isso sem falar naquilo que a massa pouco ou nada se importa como o leilão pelo mais baixo preço da estrutura estatal,leis que retiram direitos ,etc,etc,etc…
    Deles nada virá ,e Gilmar é um deles ,haverá algumas cabeças cortadas ,alguns criminosos que terão suas carreiras interrompidas com direito a polpudas aposentadorías ,alguns ex-colaboradores berrando sua “conversão” à “democráticos” .mas nada que mude o objetivo do GOLPE.,
    Nada devemos esperar deles,…e nada esperamos de NÒS.

  6. Não basta destituir o Moro e o Dallagnol de seus cargos. Eles devem ser presos, bandidos que são. Simples assim.

  7. Se o CNMP continuar passando um pano nas ilegalidades de Dalagnol e seus amigos, vai se afundar na lama junto com eles. O mesmo se diga das instituições que não tomarem providencias para restabelecer o cumprimento à Lei. Deram asas às cobras e deu no que deu.

  8. O que lógica na cabeça destes corruptos fascistas que se apropriaram e destroem instituições.

  9. Brito, bom dia.
    As vezes parecemos ingênuos por imaginarmos que no Brasil atual, algum órgão judicial seja capaz de praticar justiça.
    Todos os componentes do CNMP são golpistas.
    A brasa já está acesa e o ferro ficando quente. Portanto, vamos ter que marcar esse gado.

  10. Não estou gostando disso, o Gilmar está aparecendo demais e isoladamente. Estar isolado não é nada bom, ainda mais por iniciativa de uma mídia inconfiável. Enquanto isso o Fachin quebra varas e lanças para defender os indefensáveis da Lavajato e seus negócios estranhos.

    1. Faço minhas suas palavras. O mercado de notícias não costuma dar ponto sem nó, mesmo sendo Sua Exa. tucano de primeira ninhada. Será que a suja jato tornou-se mais importante que o tucanato aos olhos dos Donos do Poder? Wow…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.