A régua mede de acordo com o olho de quem mede

globalprices

Os jornais e os sites da grande imprensa mostram como 2 e 2 podem ser 3 ou 5, dependendo da simpatia que têm pelo freguês.

Vocês se lembram como, em 2015, com Dilma, o preço da gasolina era um escândalo.

Faziam-se adesivos grosseiros, promoviam-se “dias sem imposto” em postos de gasolina do país inteiro, contra o absurdo do preço, que andava em US$ 1,10 dólar por litro – com os preços internacionais no mesmo patamar de hoje.

Aí em cima, você vê como o preço está hoje, também em dólar: US$ 1,24. E é só olhar as datas e ver que, mesmo antes do furacão lá no Texas bagunçar a vida das refinarias, já estava acima daquilo.

Saiamos da gasolina, então, e passemos para outra energia, a elétrica onde ninguém fala nada sobre riscos de apagão, como naquela época.

É verdade  que seria uma precipitação falar com histeria, mas naqueles dias falava-se todos os dias.

E será que estávamos pior?

Em 11 de setembro de 2015, os reservatórios do Sudeste e Centro Oeste, os maiores do país,com dois terços da capacidade total de represamento, estavam com 33,8% de sua capacidade e os do Nordeste, 25% do total nacional, com apenas 16,4% de sua reserva possível.

Ontem, estes números eram piores: 30% no Sudeste e 11,2% no Nordeste, onde o mar de Sobradinho virou sertão, com 6% de sua capacidade e ainda liberando o dobro de água que recebe. Três Marias, embora faça parte do total do Sudeste, tem 16% de reserva e está vertendo água para não deixar o Rio São Francisco secar: saem 249 metros cúbicos por segundo da represa, mas só entraram, na medição de ontem, DOIS metros cúbicos por segundo.

Só nos últimos dias, porém, aqui e ali, começaram a surgir matérias sobre as dificuldades no setor.

Muita calma nesta hora do Michel Temer, não é?

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email