Saudades do Vélez?

O ministro da Educação, Abraham Weintraub virou bedel? Não, não se engane.

Anuncia que vai cortas verbas da universidades onde ocorrer “balbúrdia”.

Diz que “balbúrdia” é “sem-terra e gente pelada dentro do campus”

Sugere-se dar um rebenque e botas altas para o sr. Weintraub e mandá-lo dizer isso nas universidades norte-americanas onde “rola” daí para “pior”, como sabe qualquer um que tenha assistido aos filmes da “Sessão da Tarde”.

Ou que o MEC inicie um programa de eventos “sérios”, como conferências sobre a “Terra Plana” ou “a influência das roupas azuis e rosa na definição da sexualidade”.

Frequentei a universidade em plena ditadura e nem naquele tempo se cogitou em transformar reitores em “polícia de costumes”.

Entre outras coisas, porque, além de absurdo, é completamente inútil.

Mas não é isso, apenas isso, o que ocorre.

Weintraub sabe disso e apenas busca dar uma capa “moral” ao que pretende, de fato: arruinar o sistema universitário público.

Não é um louco, é um criminoso, como observa sabiamente o jornalista Luís Costa Pinto.

Pior do que seu antecessor, Ricardo Vélez, essencialmente um imbecil.

A reação de insubmissão dos estudantes e professores, que ele espera despertar, será o sinal para uma onda de “dedurismos” dentro da comunidade acadêmica, é previsível.

Gente que se apresentará como fossem paladinos da moralidade e defensores das verbas, bons tolos que são, porque verbas não haverá.

O ministro da Educação sabe bem as lições do nazismo: é preciso por a culpa  no “inimigo interno”.

Nem que sejam as meninas que pintam os cabelos de roxo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. Esse ministro deve ter feito sua tese acadêmica sobre “a influência das antenas dos insetos nos meios de comunicação”. Gente, que período é esse que estamos vivendo? Isso não é a volta à Idade Média. É a volta à Idade das Cavernas (com perdão ao Homus Eretus).

    1. O ministro é um qualquer. Nem adianta decorar seu nome. O importante é sua missão, destruir o ensino público no país. A destruição no campo da educação e da cultura é fundamental para o projeto imperial de impedir que qualquer nação periférica com grande potencial bote a cabeça para fora do subdesenvolvimento.

  2. não é espanto pra ninguém que os subistitutos de doidos dementes seriam ainda piores,
    tremo só em pensar quem iria subistituir Damares da Goiabeira

  3. “Balbúrdia” é a palavra que encontraram para substituir a palavra “baderna” que a repressão gostava de usar tempos atrás, quando a universidade era invadida, atacada e dominada pelos milicos golpistas de 1964 e seus capangas da polícia. Fleury, Erasmo Dias e outros energúmenos violentos eram as estrelas da época. Mas assim mesmo e apesar deles, a ditadura caiu de podre e começou a redemocratização.

  4. Onde está agora aquele professô-dotô de Federal aqui do Sul que em setembro de 2016, disse textualmente:
    “O golpe não me afetará, estou no topo da carreira…”. Afetará agora professô?
    E nós que fomos a 13 manifestações pró Lula, Dilma e democracia desde 2015. Com cadeira de rodas. pensando apenas em viver nossos últimos anos de vida num país digno, com oportunidade para gente pobre e talentosa. Chance que não tivemos plenamente.
    Estamos com um pé fora do país, seja lá para onde for… E não queremos que nossos filhos e netos se curvem e convivam com esses desgraçados.

  5. Fernando, postei lá no grupo da UFTM – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, na qual leciono. Depois te conto a reação dos aprendizes de tiranetes que aparecerão aqui nos últimos 2 anos.

  6. Isto é o governo bozo.
    Será assim durante quatro anos e prosseguirá ad eternum se estes idiotas forem reeleitos por outros idiotas como aconteceu em 2018.
    Para se manter no poder eles têm de inventar babaquices todo santo dia para distrair a turba.
    Enquanto isso, escondem da população a verdadeira situação de caos em que o Brasil se encontra desde 2013.
    O Brasil estará completamente arruinado em menos de dois anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *