Se o Exército deixar, Bolsonaro faz de Pazuello o “seu” comandante

Na sua coluna em O Globo, Malu Gaspar informa que uma reunião (virtual) entre os 15 integrantes do Alto Comando do Exército e o comandante Paulo Sérgio Nogueira, para “discutir a crise causada pela participação do general da ativa e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello na manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, em 23 de maio”.

Diz ela que, apesar de ser unânime a revolta com a atitude do general – e a do presidente – haveria divisão quanto à dureza da punição: há os que reivindicam que seja exemplar e os que preferem-na branda, para facilitar uma recomposição com o Palácio do Planalto.

Conforme a solução adotada, porém, o mal-estar persistirá. Em conversas com suas tropas, os oficiais concluíram que muitos subordinados apostam que o caso “vai acabar em pizza”. Eles têm passado essa impressão ao comandante Paulo Sérgio, junto com a mensagem de que não punir Pazuello pode levar aos outros oficiais da ativa a julgar que podem se manifestar livremente em atos políticos. “Os subordinados estão olhando. O que for feito agora, enviará uma mensagem para os próximos meses”, comentou um interlocutor do comandante.

Parece evidente que, sem abrir mão de sua autoridade de decidir de forma monocrática, Paulo Sérgio pretende que a resolução seja coletiva e, assim, a todos obrigue a “fechar” a questão.

Não é para menos. Evitar a punição ou vê-la, ainda que branda, revogada por Bolsonaro significa, na prática, que Eduardo Pazuello é elevado ao posto mais elevado entre os oficiais da ativa, aquele que tem canal direto e privilegiado com o presidente da República.

É o que ele será, passando a ser o centro das atenções e do mando não só sobre a estrutura da arma como sobre as já semi-insurretas polícias militares estaduais.

Portanto, o general Paulo Sérgio Nogueira está diante de um estranho dilema, no qual qualquer das alternativas lhe custará o posto. Se punir adequadamente Pazuello e tiver de arrostar a desautorização formal de Bolsonaro à punição, possivelmente terá de renunciar ao posto de comandante. Se não o fizer, ou fizer “para inglês ver” (e também correndo o risco de ainda assim ser desautorizado) poderá conservar o posto, mas jamais a autoridade de comandante.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *